Maya Alleruzzo / POOL / AFP
Maya Alleruzzo / POOL / AFP

Pompeo é primeiro secretário de Estado dos EUA a visitar colônia de Israel na Cisjordânia

Assentamentos judeus são considerados como ocupações ilegais do território palestino pelo direito internacional, mas foram reconhecidos pelo governo Trump

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2020 | 10h21

Em missão diplomática no Oriente Médio, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, esteve nesta quinta-feira, 19, em um acampamento israelense na Cisjordânia, tornando-se o primeiro homem no cargo a visitar uma ocupação contestado por Israel na região. A ida de Pompeo ao território foi confirmada à agências internacionais por um oficial do Departamento de Estado, sob condição de anonimato.

A soberania da Cisjordânia é um dos principais pontos de atrito entre israelenses e palestinos. Parte do território foi ocupado por Israel durante a guerra de 1967 -  mesmo conflito em que o Estado hebreu conquistou Jerusalém Oriental - e abriga hoje cerca de 500 mil cidadãos israelenses. O domínio judeu é contestado pelos palestinos, que o consideram uma violação do direito internacional - posição que é endossada por grande parte da comunidade internacional.

Durante o governo Trump, os Estados Unidos abandonaram esse posicionamento, reconhecendo ambos os territórios como parte de Israel. O gesto mais emblemático neste sentido foi a mudança da embaixada americana para Jerusalém - um reconhecimento formal de que a cidade, que ainda tem sua parte ocidental reivindicada pelos palestinos, como a capital indivisível do país.

Antes da visita ao acampamento, Pompeo cumpriu agenda em território israelense. Acompanhado por um forte esquema de segurança, o secretário de Estado visitou o vinhedo de Psagot, situado na área industrial israelense de Shaar Binyamin, entre Jerusalém e a cidade palestina de Ramallah. O chanceler também concedeu uma entrevista coletiva ao lado do primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu. Nenhum dos dois falou sobre a vitória de Joe Biden na eleição americana.

"Por muito tempo, o Departamento de Estado teve uma visão errada dos assentamentos", disse Pompeo. E completou: "Mas agora reconhece que os assentamentos podem ser feitos de uma forma que seja legal, apropriada e adequada".

Netanyahu agradeceu ao governo americano por mover sua embaixada para Jerusalém e o reconhececimento da anexação das Colinas de Golã por Israel.

Golã

Pompeo também visitou as Colinas de Golã, na Síria, reconhecidas internacionalmente como um território sírio ocupado por Israel. Foi a primeira ida de um chefe da diplomacia americana à área disputada.  

O governo sírio qualificou a visita como "provocativa". "A visita de Pompeo é uma medida provocativa antes do fim da presidência de Trump e uma violação flagrante da soberania da República Árabe Síria", diz um comunicado do Ministério das Relações Exteriores divulgado pela agência de notícias oficial SANA.

Plano de paz frustrado

O reconhecimento de Jerusalém como "capital indivisível de Israel" e dos assentamentos judeus na Cisjordânia foram os principais pontos que inviabilizaram o plano de paz proposto por Trump em janeiro deste ano.

Apesar de prever a criação de um Estado Palestino - o que foi aceito por Netanyahu e Benny Gantz, então rivais eleitorais - o acordo foi considerado pró-Israel, uma vez que o domínio tanto da Cisjordânia quanto da parte oriental de Jerusalém são um tópico irredutível na demanda palestina./AP, AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.