Erin Schaff/The New York Times
Erin Schaff/The New York Times

Pompeo participou de telefonema que Trump teve com presidente da Ucrânia

Secretário de Estado foi intimado na semana passada para colaborar com as investigações, e nesta segunda-feira o advogado de Trump, Rudy Giuliani, também foi intimado

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2019 | 21h26

WASHINGTON - O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, era um dos funcionários que presenciaram o telefonema entre o presidente americano Donald Trump e o presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, que culminou em um pedido de abertura de impeachment após uma denúncia anônima sobre o conteúdo da conversa.

A presença de Pompeo, confirmada por dois funcionários da Casa Branca nesta segunda-feira, 30, aproxima o Departamento de Estado ao pedido de investigação movido pela Câmara dos Deputados.

Essa foi a primeira confirmação que um funcionário do Gabinete presidencial estava presente no momento da ligação em que Trump pressionou Zelenski a investigar o filho do ex-vice-presidente e atual presidenciável Joe Biden, Hunter Biden. Ele era membro do conselho da maior empresa de gás natural da Ucrânia, a Burisma, quando o presidente da empresa era investigado por corrupção e lavagem de dinheiro.

Pompeo já havia sido intimado na semana passada a fornecer documentos com informações sobre a relação de Trump com a Ucrânia. Ele pode responder por obstrução de justiça caso não se comprometa com a solicitação.

Nesta segunda, o advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, também foi intimado pelos deputados para fornecer documentos relacionados à pressão contra a Ucrânia para investigar Biden.

Outros três associados de Giuliani também foram cobrados pelos deputados para apresentarem provas, e devem depor nas próximas duas semanas sobre o caso. Eles são os advogados Lev Parnas, Igor Fruman e Semyon Kislin.

Giuliani é considerado o operador do esquema e frequentemente é mencionado na denúncia anônima do funcionário da Casa Branca. Ele admitiu em entrevistas que tomou uma série de ações para avançar as investigações na Ucrânia contra Biden.

O advogado tem até o dia 15 de outubro para colaborar com as investigações. Caso não o faça, também pode ser julgado por obstrução de justiça. / AP e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.