EFE/EPA/Wallace Woon
EFE/EPA/Wallace Woon

Pompeo pede 'pressão diplomática e econômica' contra Coreia do Norte até desnuclearização

Secretário de Estado insiste que comunidade internacional deve continuar a cumprir sanções contra regime até a promessa de desmantelamento de arsenal nuclear ser cumprida

O Estado de S.Paulo

04 Agosto 2018 | 02h36

CINGAPURA - O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, pediu à comunidade internacional que mantenha a "pressão diplomática e econômica" sobre a Coreia do Norte enquanto o regime continuar com seu arsenal nuclear. Mais cedo, especialistas independentes da ONU acusaram Pyongyang de continuar a produção de mísseis e ogivas, além de importar mais petróleo que o permitido pela ONU, violando sanções estabelecidas em 2017.

Pompeo, que esteve em Cingapura para encontro com autoridades da Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean), insistiu que a "pressão diplomática e econômica" é a única forma de obter "a completa desnuclearização prometida pela Coreia do Norte". O secretário de imprensa também pediu aos líderes asiáticos que continuem "a aplicar estritamente todas as sanções, incluindo a suspensão total de importação ilegal de petróleo por navios" ao regime.

Desde a cúpula entre o presidente Donald Trump e líder norte-coreano Kim Jong-un, Washington afirma que alguns países, em especial a China e a Rússia, relaxaram a pressão contra a Coreia do Norte. Neste sábado, 4, Pompeo acusou o governo Putin de continuar a negociar com o regime norte-coreano, incluindo garantindo vistos de permanência e emprego para expatriados, que compõem uma das principais fontes de renda de Pyongyang ao enviar dinheiro a parentes que permanecem no país.

"É uma violação das resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas", disse Pompeo, que afirmou que discutirá o caso com Moscou. "Qualquer violação será considerada bem séria aos Estados Unidos."

O secretário de Estado afirmou que se reuniu com o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, e este se comprometeu a manter as sanções contra a Coreia do Norte. Apesar da presença de um representante de Pyongyang no encontro da Asean, Pompeo disse que não se encontrou com o norte-coreano.

Apesar do tom, Pompeo manteve o otimismo que Kim Jong-un cumprirá sua promessa de desnuclearização firmada com Trump. Apesar da Coreia do Norte não ter estipulado um cronograma para o procedimento, Washington continua confiante na capacidade do regime em manter sua palavra.

"O presidente Kim se comprometeu a desnuclearizar seu país, mas todos sabemos que levará tempo", disse Pompeo. "Devo dizer, após minha reunião, que o mundo está unido neste objetivo." //AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.