População do Sudão fica sem internet em dia de protesto contra general Abdel Fattah al-Burhan

População do Sudão fica sem internet em dia de protesto contra general Abdel Fattah al-Burhan

Através de golpe de Estado, o militar dissolveu os órgãos criados para a transição democrática e declarou estado de emergência

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2021 | 06h04

A população do Sudão, na África, segue sem acesso à internet neste sábado, 30, dia agendado para os protestos nacionais contra o golpe de Estado instaurado pelo general Abdel Fattah al-Burhan. O militar dissolveu os órgãos criados para a transição democrática e declarou estado de emergência.

"A Internet do Sudão continua em grande parte interrompida, deixando os cidadãos isolados entre si e do resto do mundo", informou Netblocks, portal com sede em Londres, Reino Unido.

A fonte confirmou que, desde a última segunda-feira, 25, o serviço à rede virtual está interrompido, o que afetou a "conexão e algumas linhas fixas em múltiplos fornecedores". Com isso, a mobilização para o protesto tem sido feita por uso de panfletos, mensagens SMS, grafites e comícios de bairro. 

Protestos

Manifestantes e forças de segurança têm se enfrentado ao longo desta semana. O embate já deixou pelo menos 11 mortos e mais de uma centena de feridos, segundo denúncias de organizações da oposição e da Anistia Internacional.

Esta não é a primeira vez que o país fica privado de acesso à internet. Também de acordo com informações do Netbloks, o país "cortou as redes sociais durante 68 dias consecutivos" de dezembro de 2018 até fevereiro de 2019.

Naquele momento, o povo sudanês protestava contra o regime do ex-presidente Omar al Bashir, que exerceu o poder por três décadas até ser deposto em abril de 2019. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.