Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

População mundial cairá a partir de 2050, e superpotências serão alteradas

Brasil atingirá pico populacional em 2043, quando estima-se que terá 235 milhões de habitantes

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2020 | 02h52

Um estudo realizado pelo Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde da Universidade de Washington (IHME) e divulgado nesta terça-feira, 14, pela revista Lancet, aponta que a população mundial começará a diminuir a partir da segunda metade deste século, o que, juntamente com a queda da fertilidade em certos países, levará a mudanças significativas no equilíbrio global do poder.

O relatório prevê que a população mundial atingirá um pico de cerca de 9,7 bilhões em 2064, mas cairá para 8,8 bilhões até o final do século, um declínio de mais de 50% em 23 países, incluindo Japão, Tailândia, Itália e Espanha.

O Brasil deve atingir o pico populacional em 2043, quando terá 245 milhões de habitantes. Segundo o estudo, esse número deve cair nos anos seguintes. O País deve terminar o século com 164 milhões de pessoas

Na grande maioria dos países analisados, 183 de 195, a Taxa de Fertilidade Total (TFR) estará em níveis que não permitirão manter o tamanho de suas populações, a menos que sejam implementadas políticas de imigração liberais, adverte o estudo.

A TFR geral poderia cair de 2,37 em 2017 para 1,66 em 2100, bem abaixo da taxa mínima de 2,1 necessária para manter estáveis os números da população - o que os cientistas chamam de "nível de reposição".

Dessa forma, o estudo prevê "enormes mudanças" na "estrutura etária global" até 2100, quando cerca de 2,37 bilhões de pessoas terão mais de 65 e 1,7 bilhões com menos de 20 anos.

Nesse contexto, a Índia e a China passariam por grandes declínios quanto às pessoas em idade de trabalhar, o que retardaria seu crescimento econômico e causaria mudanças no equilíbrio de poder global.

Embora os especialistas prevejam que a China substituirá os Estados Unidos como a maior economia do mundo em termos de produto interno bruto (PIB) em 2035, ela poderá experimentar um declínio demográfico rápido a partir de 2050, com uma redução de 1% em sua força de trabalho, de 950 milhões em 2017 para 357 milhões em 2100. Assim, os EUA voltariam ao topo até 2098, desde que a imigração continue alimentando a sua força de trabalho.

Por outro lado, o estudo aponta que a Índia poderia ser o único país asiático capaz de proteger sua força de mão de obra, apesar do fato de que a população ativa cairia de 762 milhões em 2017 para 578 milhões em 2100, o que colocaria seu produto interno bruto em terceiro lugar - há três anos, apareceu em sétimo.

Na Europa, o Reino Unido, a Alemanha e a França permaneceriam no 'top 10' do ranking do PIB no final do século, enquanto a Itália e a Espanha cairiam para a 25ª e a 28ª posições, respectivamente. O fator preponderante é que suas populações aumentaram de um pico de 61 milhões em 2014 e 46 milhões em 2017, nessa ordem, para mínimos de 30,5 milhões e 23 milhões em 2100.

O aumento das populações dos países da África Subsaariana fortaleceria o poder dessa região na geopolítica global, com uma posição particularmente dominante para a Nigéria.

As projeções dos autores para esse país apontam que ele seria o único entre os dez mais populosos do mundo a aumentar sua força de trabalho, de 86 milhões em 2017 para 458 milhões em 2100, um aumento que elevaria seu PIB para a nona colocação, quatro à frente de três anos atrás.

Migração

"O crescimento populacional contínuo ao longo do século não é mais a trajetória mais provável. Este estudo oferece uma oportunidade para os governos de todos os países começarem a repensar suas políticas sobre imigração, trabalho e desenvolvimento econômico para enfrentar os desafios apresentados pelas mudanças demográficas", afirmou o diretor do IHME, Christopher Murray, em comunicado.

Os autores lembram que para aqueles países com altos índices com PIB elevado, mas taxas de fertilidade incapazes de compensar a perda de população, a melhor solução para manter os níveis atuais, crescimento econômico e segurança geopolítica é aplicar políticas de migração abertas. E sugerem que haja apoio para que as famílias tenham o número de filhos desejado.

"Há um perigo muito real, no entanto, que diante do declínio populacional, alguns países possam considerar políticas que restrinjam o acesso aos serviços de saúde reprodutiva, com consequências potencialmente devastadoras. É imperativo que a liberdade e os direitos das mulheres estejam na vanguarda da agenda de desenvolvimento de todo governo", concluiu Murray./EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.