População vive aterrorizada

A trégua de três horas na Faixa de Gaza não aliviou a "catástrofe humana" que assola a região, segundo a ONG Médicos sem Fronteiras. "Essa trégua foi apenas um gesto para acalmar a comunidade internacional", afirmou por telefone Jessica Pourraz, coordenadora da equipe em Gaza. Segundo ela, o trabalho de ajuda humanitária não está sendo respeitado. "Os civis precisam ter acesso livre a comida, água e abrigo. As ambulâncias têm de transitar em segurança para buscar os feridos", afirmou.A população de Gaza está acostumada à escassez de recursos - antes do início da ofensiva israelense, mais da metade dependia de ajuda alimentar -, mas a amplitude da crise atual é sem precedentes. "As pessoas estão completamente deprimidas, exaustas e em estado de terror permanente", disse Jessica. "Aqui todo mundo testemunhou ou foi vítima de violência. Tudo o que desejam é o fim do conflito."Para as crianças, o trauma pode durar a vida inteira, trazendo consequências devastadoras para a sociedade palestina, dizem psiquiatras. O médico Abdel Aziz Mousa Thabet, que estuda efeitos da violência, disse ao jornal ?The Guardian? que 65% das crianças da Faixa de Gaza já sofrem de estresse pós-traumático. "Elas estão mais ansiosas, alguns entram em pânico com as explosões."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.