EFE/PRESIDENCIA MÉXICO
EFE/PRESIDENCIA MÉXICO

Popularidade de Peña Nieto cai ao nível mais baixo desde sua posse em 2012

Governo do presidente mexicano é desaprovado por 77% da população - avaliação muito pior do que os quatro antecessores em período semelhante de mandato; inflação é o pior problema do país para 22,8% dos entrevistados

O Estado de S.Paulo

01 de março de 2017 | 12h19

CIDADE DE MÉXICO - A popularidade do presidente do México, Enrique Peña Nieto, caiu para 17% no último trimestre, nível mais baixo desde o início de seu mandato em dezembro de 2012, revelou na terça-feira uma pesquisa da Mitofsky.

Segundo a pesquisa, divulgada a cada três meses, 77% dos mexicanos desaprovam a gestão do presidente, que teve a imagem afetada pelo aumento dos preços dos combustíveis em janeiro.

Em fevereiro, Peña Nieto, que fica no poder até 2018, conseguiu uma breve recuperação na popularidade após cancelar uma visita aos Estados Unidos, uma resposta às declarações do presidente do país vizinho, Donald Trump, de que construirá um muro na fronteira que será pago pelo México.

Peña Nieto é o presidente mexicano pior avaliado no quinto ano de mandato, muito longe de seus quatro antecessores, Felipe Calderón (2006-2012), Vicente Fox (2000-2006), Ernesto Zedillo (1994-200) e Carlos Salinas de Gortari (1988-1994). Na comparação com o mesmo período dos ex-presidentes, Salinas tinha uma desaprovação de 16%, Zedillo de 40%, Fox de 36% e Calderón de 46%.

Por causa do aumento nos preços da gasolina, os cidadãos mexicanos consideram a inflação o pior problema do país (22,8%), seguido muito de perto pela insegurança (22,7%).

A baixa popularidade não é exclusiva do presidente. Os governadores viram seus apoios caírem, em média, 28 pontos percentuais. A queda média dos prefeitos foi de 21 pontos, segundo a pesquisa.

Foram entrevistados 3 mil mexicanos maiores de 18 anos entre dezembro, janeiro e fevereiro. A margem de erro é de 1,8 pontos percentuais. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
MéxicoEnrique Peña Nieto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.