EFE/EPA/Tasos Katopodis
EFE/EPA/Tasos Katopodis
Imagem Helio Gurovitz
Colunista
Helio Gurovitz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Popularidade de Trump permanece incólume

Apesar de as pesquisas mostrarem que apoio ao impeachment do republicano aumentou, sua popularidade continua em patamar idêntico ao anterior às denúncias

Helio Gurovitz, O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2019 | 07h30

O apoio ao impeachment do presidente americano, Donald Trump, cresceu depois que veio à tona o imbróglio envolvendo ele e o ucraniano, Volodmir Zelenski. Pela primeira vez, desde agosto de 2018, mais americanos apoiam do que rejeitam a abertura do processo para tirar Trump do cargo.

Mas a diferença é pequena. Segundo a média do site FiveThirtyEight, 47% dos americanos são favoráveis ao impeachment, 45% contrários. A polarização partidária separa as opiniões. Entre democratas, o apoio subiu de 72% para 79%; entre independentes, de 34% para 42%. Entre republicanos, apenas flutuou de 10% para 12%. 

O indicador mais relevante eleitoralmente não saiu do lugar. A popularidade de Trump mantém-se em patamar idêntico ao anterior às denúncias. A aprovação do governo está em 41%, segundo o FiveThirtyEight, ou 43%, segundo o RealClearPolitics. A reprovação, pouco abaixo de 54%.

Dadas as características eleitorais americanas, os números são tão favoráveis à reeleição quanto há um mês ou há um ano. Trump não precisa da maioria dos votos para vencer (Hillary Clinton teve quase 2,9 milhões a mais e perdeu). Precisa apenas ganhar nos Estados onde já ganhou em 2016 - e onde, aparentemente, a população local não tem dado muita bola ao favor que ele pediu a Zelenski.

- Warren: a nêmesis de Mark Zuckerberg

Mark Zuckerberg já foi acusado de ajudar a eleger Trump, de censurar vozes da direita no Facebook e de agir como autômato prepotente. Sua nêmesis atual é a senadora Elizabeth Warren, que desponta nas primárias democratas defendendo a quebra dos monopólios digitais.

“Se ela for presidente, aposto que teremos um desafio jurídico”, afirmou Zuckerberg em julho, segundo revelou o Verge. “É uma m…? Sim, não quero um processo contra nosso governo.”

Warren respondeu no rival Twitter: “Seria realmente uma m… se não consertássemos um sistema corrupto, que permite a empresas gigantes como o Facebook adotar práticas anticompetitivas, pisar na privacidade dos consumidores e evadir-se repetidas vezes da responsabilidade de proteger nossa democracia”.

- Não haverá novo acordo para o Brexit este mês

Dois obstáculos tornam inviável o acordo proposto por Boris Johnson para tirar o Reino Unido da União Europeia (UE) até o fim do mês.

Primeiro, não há chance de que a UE aceite as condições. Controles alfandegários entre as Irlandas, mesmo longe da fronteira, trariam risco à paz. Seria inaceitável conferir apenas aos norte-irlandeses o poder de decidir ficar na união aduaneira europeia.

Tornar a permanência obrigatória esbarraria no segundo obstáculo: Boris perderia o apoio necessário ao novo acordo no Parlamento, tanto dos norte-irlandeses quanto dos radicais do Brexit, para quem não deve restar nenhum elo depois do divórcio. A fraqueza dele é patente. Nada custa à UE dizer não, já que a lei britânica passou a obrigá-lo a pedir adiamento caso não haja acordo até dia 19.

- Desigualdade tem elo com autoritarismo, diz estudo

A desigualdade aumenta o desejo por líderes autoritários, concluiu uma pesquisa em 28 países de cinco continentes, publicada na revista acadêmica Psychological Science. Os pesquisadores afirmam que a desigualdade amplia a percepção de que “a sociedade está se esfacelando (anomia) e de que um líder forte é necessário para restaurar a ordem (mesmo quando tal líder está disposto a desafiar valores democráticos)”.

- Livro explica razões para sucesso do capitalismo

Em Capitalism, Alone (“Capitalismo, Sozinho”), o economista sérvio-americano Branko Milanovic - autor da leitura definitiva sobre a desigualdade global - constata que, nas últimas décadas, pela primeira vez, o planeta é regido por um só sistema econômico: o capitalismo, que prevaleceu, em todas as suas variantes, pela capacidade singular de gerar mais riqueza.

Isso ocorreu apesar da exacerbação de “certos traços humanos questionáveis, do ponto de vista ético”. Dado o êxito, diz Milanovic, não há como transformar a realidade. Ele promove no livro um acerto de contas com as duas grandes narrativas econômicas do século 20: a marxista e a liberal. Nenhuma, afirma, é satisfatória.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.