Ramon Van Flymen/EFE/EPA
Ramon Van Flymen/EFE/EPA

Por covid-19, Holanda impõe primeiro toque de recolher noturno desde a 2ª Guerra

Infecções caíram, mas autoridades de saúde temem que novas variantes levem a um aumento de casos no próximo mês

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2021 | 16h55

AMSTERDÃ  - A Holanda irá impor seu primeiro toque de recolher noturno desde a 2ªegunda Guerra a partir deste sábado, 23, em uma tentativa de impedir a disseminação do coronavírus no país.

A decisão foi tomada após um longo debate parlamentar e com críticas da oposição, que considerou o toque de recolher um “sinal de impotência e pânico absolutos”.

Enquanto a medida estiver em vigor, apenas pessoas com necessidades urgentes poderão deixar suas casas entre 21h e 4h30. O toque de recolher deve durar pelo menos até 9 de fevereiro. 

São consideradas necessidades urgentes emergências médicas, passeios com animais de estimação e trabalhos essenciais. Os infratores podem ser multados em € 95 (aproximadamente R$ 618).

A Holanda está em lockdown desde o dia 15 de dezembro, quando escolas e lojas não essenciais foram fechadas. Bares e restaurantes deixaram de funcionar dois meses antes.

O país registrou queda constante no número de infecções nas últimas três semanas, mas as autoridades de saúde dizem que novas variantes do coronavírus levarão a um novo aumento de casos no próximo mês se as medidas de distanciamento social não forem reforçadas.

O governo também anunciou nesta quinta-feira, 21, uma extensão das medidas de apoio financeiro às empresas, injetando € 7,6 bilhões  extras (aproximadamente R$ 49,5 bilhões) em esforços para sustentar empresas em dificuldades e proteger empregos em meio à desaceleração econômica causada pela pandemia e pelo bloqueio.

A pandemia já deixou 13 mil mortos na Holanda. Outros países da União Europeia, como Bélgica, França, Itália, Grécia e partes da Alemanha, também tentam manter a população em casa à noite. /REUTERS e AP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.