Por luta contra armas químicas, OPAQ ganha Nobel da Paz

A Organização para a Proibição de Armas Químicas conquistou o Prêmio Nobel da Paz de 2013 nesta sexta-feira pelos seus "extensos esforços para eliminar as armas químicas".

AE, Agência Estado

11 de outubro de 2013 | 07h57

O prêmio, entregue em Oslo pelo Comitê Norueguês do Nobel, foi concedido em um momento em que a OPAQ está supervisionando a destruição do arsenal de armas químicas da Síria. A OPAQ foi criada em 1997, quando o tratado Convenção de Armas Químicas sobre controle destes armamentos entrou em vigor. A Convenção tem 189 signatários e a Síria pediu para ser o 190º membro.

Em comunicado para a imprensa, o Comitê Norueguês do Nobel disse que "as convenções e o trabalho da OPAQ definiram o uso de armas químicas como um tabu sob o direito internacional. Acontecimentos recentes na Síria, onde as armas químicas foram novamente colocadas em uso, ressaltaram a necessidade de aumentar os esforços para acabar com esse tipo de armamento".

A OPAQ é liderada por Ahmet Üzümcü, um diplomata de carreira turco que tomou posse como diretor-geral da organização em 2010. Üzümcü, de 62 anos, realizou uma série de trabalhos de alto nível, servindo inclusive como Representante Permanente da Turquia na Organização das Nações Unidas em Genebra. Ele também representou a Turquia no conselho da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e serviu como embaixador da Turquia em Israel.

A missão da organização de Üzümcü é garantir a proibição do uso e da produção de armas químicas. A OPAQ também verifica a destruição de todas as armas químicas.

O Comitê Norueguês do Nobel é composto por cinco pessoas que são eleitas para mandatos de seis anos pelo Parlamento norueguês, Stortinget. O comitê enfrentou críticas no ano passado depois da atribuição do prêmio à União Europeia e também provocou um debate com outras escolhas recentes, incluindo a seleção do presidente dos EUA, Barack Obama, em 2009.

A OPAQ está encarregada de destruir as armas químicas da Síria depois de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, que foi aprovada em setembro. O regime sírio concordou em desmantelar todo o seu programa de armas químicas até meados de 2014 após um acordo entre os EUA e a Rússia.

A OPAQ tem o curto prazo de até 1º de novembro para destruir os equipamentos de produção de armas químicas do regime sírio - uma tarefa difícil, dado os intensos combates entre os rebeldes e as forças armadas da Síria. A OPAQ pediu um cessar-fogo na Síria para permitir que suas equipes realizem o seu trabalho.

O Comitê do Nobel disse que o "desarmamento estava em destaque na vontade de Alfred Nobel. O Comitê Norueguês do Nobel através de inúmeros prêmios destacou a necessidade de acabar com as armas nucleares. Através do presente prêmio à OPAQ, o Comitê está tentando contribuir para a eliminação de armas químicas". Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
norueganobelpaz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.