Eric Seals-USA TODAY NETWORK via REUTERS NO RESALES. NO ARCHIVES. MANDATORY CREDIT
Eric Seals-USA TODAY NETWORK via REUTERS NO RESALES. NO ARCHIVES. MANDATORY CREDIT

Por omissão, pais de atirador em escola dos EUA são indiciados por homicídio culposo

James e Jennifer Crumbley foram indiciados pelo tiroteio promovido por seu filho Ethan Crumbley em uma escola de Mighigan que deixou quatro mortos na última terça-feira, 30.

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2021 | 17h20

WASHINGTON - Os pais do adolescente de 15 anos que abriu fogo em sua escola de em Mighigan, norte dos Estados Unidos, foram indiciados nesta sexta-feira, 3, por homicídio culposo. O caso aconteceu na última terça-feira, 30, e resultou na morte de quatro pessoas.

James e Jennifer Crumbley, pais de Ethan Crumbley, foram indiciados cada um por quatro acusações de homicídio culposo, anunciou em coletiva de imprensa Karen McDonald, promotora do condado de Oakland, ao norte de Detroit.

"Essas acusações são destinadas a responsabilizar as pessoas que contribuíram para esta tragédia e também enviar a menagem de que os proprietários de armas têm uma responsabilidade", disse McDonald.

Entre os argumento, a promotora apontou que os pais não trabalharam para impedir que o menino tivesse fácil acesso à arma e não contribuíram posteriormente com as investigações. 

James Crumbley comprou a pistola semiautomática usada pelo seu filho, uma Sig Sauer de nove milímetros, quatro dias antes da tragédia, no dia de Black Friday depois do feriado de Ação de Graças.

Um funcionário da loja de armas confirmou que Ethan estava presente no momento da compra, e postagens nas redes sociais foram utilizadas para mostrar que a arma era um presente de Natal para o garoto.

Dias antes do tiroteio, um professor da Oxford High School, onde ocorreu o caso, notou Ethan usando seu celular para pesquisar informações sobre munição. Segundo a promotora, quando Jennifer foi contatada pela escola via correio de voz, ela não retornou. Em vez disso, ela enviou uma mensagem para o filho rindo da situação e dizendo que ele precisava "aprender a não ser pego. ”

No dia do tiroteio, os Crumbleys foram chamados à escola devido a um bilhete preocupante de Ethan, em que havia o desenho de uma arma semiautomática. Os pais compareceram á escola, mas se recusaram a retirar Ethan das aulas aquele dia. A promotora destacou que os pais não olharam a mochila do menino para verificar se havia arma.

Quatro mortos e seis feridos

Três horas depois da reunião com os Crumbleys foram registrados os primeiros disparos na Oxford High School. Quatro estudantes  morreram no tiroteio e outros seis ficaram feridos, incluindo um professor.

O ataque ocorreu pouco antes das 13h00 no horário local, na pequena cidade de Oxford, cerca de 65 quilômetros ao norte da metrópole de Detroit.

O atirador foi preso no local e acusado de "assassinatos" e "ato terrorista" e pode pegar prisão perpétua já que está sendo processado como se fosse maior de idade. /WASHINGTON POST E AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Estados Unidos [América do Norte]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.