Jalil Rezayee/EFE
Jalil Rezayee/EFE

‘Por que meu amigo explodiu?' Veteranos de guerra se horrorizam com avanço do Taleban

Grupo insurgente já domina dois terços do território do Afeganistão

Andrew Jeong e Jennifer Hassan, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2021 | 14h00
Atualizado 14 de agosto de 2021 | 15h01

WASHINGTON - Depois de se alistar nas forças armadas dos EUA contra a vontade de sua família, o nativo de Chicago Tom Amenta disse que se encontrou no "meio do nada", o Afeganistão, em 2002 como um Ranger do Exército em uma área remota a cerca de 15 minutos da fronteira com o Paquistão. Ele estava lutando as batalhas iniciais de uma guerra que poucos sabiam que se estenderia por 20 anos.

Agora com 40 anos e aposentado do exército, ele sentiu a raiva espumar enquanto assistia ao noticiário na noite de quinta-feira, durante uma viagem de trabalho à Pensilvânia.

Manchete após manchete transmitem as últimas conquistas dos combatentes do Taleban, que tomaram o controle de mais de uma dúzia das capitais de província do país enquanto o governo afegão se aproxima do colapso após a retirada das tropas americanas do país. Amenta ficou horrorizado com as notícias de combatentes cometendo crimes de guerra contra civis ou soldados afegãos.

Amigos que foram mortos lá vieram à mente, incluindo a estrela da NFL Pat Tillman. Boas lembranças de ex-colegas afegãos, como intérpretes, que permaneceram no país e cujos destinos ele desconhecia, também ressurgiram.

"Isso me deixa com raiva, realmente com raiva", disse Amenta sobre a retirada dos EUA, lamentando os bilhões e bilhões de dólares gastos no esforço de guerra - sem mencionar o tributo emocional, financeiro e humano sofrido por milhares de americanos que serviram ou enviaram seus entes queridos para lutar no Afeganistão.

O Afeganistão “nunca teve uma solução limpa. Mas agora que ficou difícil, vamos apenas pular? Isso não está certo”, disse ele em uma entrevista por telefone.

Amenta é um dos muitos veteranos expressando frustração com o avanço do Taleban, refletindo a profundidade do conflito em todo o mundo. Cerca de quatro dezenas de países enviaram tropas em apoio aos Estados Unidos, que, com 2.300 mortos enquanto serviam, foi o que mais sangue derramou na guerra, além dos próprios afegãos.

Amenta relatou memórias de Jay A. Blessing de Tacoma, Washington, um amigo pateta e colega Ranger do Exército que costumava colocar molho apimentado em tudo: “Quer dizer, literalmente tudo. Ele colocou molho picante no sorvete. ” Blessing foi morto por uma bomba improvisada em Asadabad, Afeganistão, em 2003.

“Quero dizer, por que meu amigo explodiu? Para que?" perguntou Amenta, que recentemente falou com quase seis dezenas de veteranos das guerras pós-11 de setembro para escrever um livro que será lançado no próximo mês.

No Reino Unido, que perdeu pelo menos 455 soldados ao longo da guerra, o presidente do Comitê Seleto de Relações Exteriores, Tom Tugendhat, que serviu no Afeganistão, tuitou: “Se você acha que estou recebendo as notícias do Afeganistão de maneira ruim e pessoal, você está certo.”

Tugendhat disse que a retirada foi "um desperdício e desnecessário". Ele acrescentou: "Eu vi o que custa e quais sacrifícios estão sendo jogados fora."

Tugendhat, em entrevista à BBC, disse que a retirada do apoio da coalizão no país deixou seu governo exposto e fraco. “Nós puxamos o tapete debaixo deles”, disse ele. “Tiramos o apoio aéreo deles, tiramos a logística deles e dissemos:‘ Vá em frente, vamos ver como você se sai’”.

Falando de sua casa em Tucson, o veterano do Exército John Whalen suspirou quando chegaram os relatórios de que Kandahar, a segunda maior cidade afegã, havia caído nas mãos do Taleban.

“É simplesmente frustrante”, disse Whalen ao telefone. “Nós sabíamos que isso iria acontecer. Agora, todas as pessoas que foram e serviram estão tipo, ‘Por que meu amigo morreu?’ ”

“Eu também faço essa pergunta”, disse Whalen.

Whalen disse que dois de seus amigos foram mortos a apenas 20 quilômetros de Kandahar em 2010: Andrew Meari, de Plainfield, Illinois, e Jonathan Curtis, de Belmont, Massachusetts.

Os dois estavam guardando um ponto de entrada no Posto Avançado de Combate Sanjaray. Quando eles impediram um indivíduo suspeito de entrar na base, o indivíduo detonou explosivos que havia instalado em si mesmo, informou a Associated Press.

“Eu gosto de onde estou agora. Estou indo bem ”, disse Whalen, agora com 34 anos e trabalhando como consultor de segurança cibernética, ao The Washington Post. “Mas eles estão mortos."

“Ele era apenas uma criança”, disse Whalen sobre o Meari, que tinha 21 anos quando morreu. “Ele estava tão motivado. Ele estava tão animado para sair e viver sua vida. Mas ele foi morto. E ele não conseguiu viver sua vida." Curtis tinha uma filha pequena na época, Tessa-Marie.

“Eu senti que havia essa ideia por trás da América. Que a América faria do mundo um lugar melhor”, disse ele. “Mas há crianças no Afeganistão que só viram a guerra durante suas vidas”, disse Whalen, que tem um filho de 7 anos, Oliver. Não parece certo, ele acrescentou.

O ex-médico do Exército Frank Scott Novak, de 44 anos, disse ter ouvido repetidamente um sentimento persistente de tristeza de amigos militares que serviram no Afeganistão à medida que os acontecimentos continuavam. Novak serviu em duas viagens ao Iraque de 2004 a 2006.

“Ninguém está dizendo: ‘Ei, você sabe, pelo menos nós fizemos alguma coisa ’. Não há nada para mostrar de verdade”, disse ele. “E então, todo mundo está meio zangado e se perguntando, por quê? Por que estávamos lá? ”

Michelle Partington, a primeira mulher a servir como paramédica de linha de frente da Força Aérea Real, disse ao Canal 4 do Reino Unido que acha insuportável assistir à queda do país.

Partington sofre de transtorno de estresse pós-traumático após três deslocamentos para o Afeganistão, que ela descreveu como “um pesadelo”, citando explosões de bombas, ferimentos e destruição generalizada. Ela disse à emissora que, ao retornar do país, frequentemente considerava tirar a própria vida.

“Minha guerra ainda está em andamento”, disse ela, acrescentando que não conseguia pensar sobre a atual situação no Afeganistão “porque isso me levará de volta à minha doença”.

Jeong Jangsoo, um coronel aposentado do exército sul-coreano, expressou um coquetel de emoções - nenhuma delas boa - depois de saber na noite de sexta-feira, a caminho de casa em Seul, que o Taleban estava se aproximando de Cabul.

Nas maiores vitórias dos militantes do Taleban em sua ofensiva de uma semana, autoridades locais disseram ao Post na sexta-feira, as tropas afegãs se retiraram de Kandahar, Herat e Lashkar Gah. Os combatentes estão se aproximando da capital nacional, aumentando a preocupação de que o governo afegão entre em colapso e deixe Cabul a última ilha sob seu controle.

Jeong comandou um contingente sul-coreano de aproximadamente 300 pessoas no Afeganistão em 2007, quando o Taleban sequestrou um grupo cristão sul-coreano, matando dois de seus membros.

“Fiquei desapontado”, disse ele em entrevista por telefone, “a sensação é de que tudo tinha sido em vão e pensei: então é assim que termina?".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.