Brittany Hosea-Small / AFP
Brittany Hosea-Small / AFP

Por que o céu ficou laranja na Costa Oeste dos Estados Unidos e qual o impacto para a saúde

Mudança de cor foi provocada por incêndios que destruíram milhares de hectares nos Estados da Califórnia, Washington e Oregon

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2020 | 08h12

SÃO FRANCISCO — O céu de parte da Costa Oeste dos Estados Unidos ficou laranja nesta quarta-feira, por causa dos incêndios florestais que atingem há semanas os Estados da Califórnia, Oregon e Washington

Na região da Baía de São Francisco, o sol foi encoberto pela fumaça das chamas e pela neblina matinal, dando à paisagem um aspecto alaranjado escuro e causando a impressão de que ainda era noite, embora já fosse de manhã.

Os postes da cidade precisaram ficar ligados ao longo do dia e os carros tiveram que acender os faróis — o mesmo aconteceu em outros municípios da região.

Cinzas dos incêndios caíam do céu em grande quantidade, provocando uma espécie de chuva de cinzas que cobria o chão.

Por que o céu ficou laranja?

O fenômeno é comum em regiões próximas a grandes incêndios. Isso acontece porque partículas de fumaça começam a se assentar e bloqueiam os raios solares.

Isso acontece porque a luz do sol é branca - ela contém todas as cores do espectro de luz, as do arco-íris. Quando essa luz passa pela atmosfera, composta por vários gases, ela passa através do ar logo acima de nós.

Boa parte chega aos olhos sem passar por modificações. Mas parte da luz se choca com nitrogênio, oxigênio e outras moléculas. Quando isso acontece, a luz é decomposta em cores e depois espalhada.

A luz que se espalha a partir do raio de luz branca é em sua maioria azulada. Por causa da fumaça dos incêndios, a luz precisa passar pela camada mais espessa de ar. Como encontra no caminho ainda mais moléculas de ar, poeira e poluentes, a extremidade azul do espectro de luz se espalha.

Assim, o que resta quando chega aos olhos das pessoas, principalmente, luz amarela, laranja e vermelha.

Ou seja, as partículas de fumaça espalham a luz azul e apenas permitem que a luz amarelo-laranja-vermelha atinja a superfície, fazendo com que o céu pareça laranja.

Se a fumaça se tornar muito densa em uma determinada área, a maior parte da luz será espalhada e absorvida antes de chegar à superfície, o que pode causar céus escuros.

Essa é uma das consequências dos diversos focos de queimadas que vêm se espalhando rapidamente pelos três Estados americanos, destruindo casas e forçando milhares de pessoas a deixarem a área.

Pelo Twitter, o Serviço Nacional de Meteorologia da Baía de São Francisco informou que a tendência é que o céu fique ainda mais escuro e a qualidade do ar piore à medida que mais fumaça suspensa na atmosfera desça.

"Plumas de fumaça extremamente densas e altas de vários grandes incêndios florestais, alguns dos quais têm gerado nuvens pirocumulunimbus noturnas ("tempestades de fogo"), estão bloqueando quase completamente o sol", escreveu cientista climático da UCLA Daniel Swain, em sua conta no Twitter.

Como isso afeta a saúde das pessoas?

O fenômeno é prejudicial à saúde. A qualidade do ar não era saudável para grandes áreas do Vale Central e da costa norte da Califórnia na quarta-feira, de acordo com o site AirNow.gov.

As autoridades alertaram os moradores para ficarem em casa quando sentissem o cheiro de fumaça. Na Bay Area, as condições de qualidade do ar permaneceram moderadas, já que - apesar do céu escuro e avermelhado - a fumaça ainda permanecia mais alta na atmosfera. Mas as autoridades alertaram que pode se estabelecer no nível do solo.

"Se o cheiro de fumaça estiver presente ou se a fumaça for muito visível, é importante que os residentes da Bay Area protejam sua saúde evitando a exposição. Se possível, fique dentro de casa com as janelas e portas fechadas até que os níveis de fumaça diminuam", disse a agência atmosférica da Bay Area em um comunicado.

A agência tweetou uma explicação para os céus em tons de laranja e vermelho de quarta-feira, dizendo que eles são "o resultado da fumaça do incêndio florestal no ar. Fortes ventos nos últimos dias transportaram cinzas de incêndios no norte da Califórnia e na Sierra Nevada para a região."

O escritório do Serviço Meteorológico Nacional para a área da baía disse que havia uma "quantidade sem precedentes de fumaça na atmosfera, já que um número recorde de acres queimava na Califórnia e no oeste. Do espaço, você nem consegue ver o nevoeiro da Baía do São Francisco ou a camada marinha, pois a fumaça se estende bem sobre o Pacífico."

Embora os incêndios florestais sejam comuns na Califórnia durante o verão no Hemisfério Norte, a temporada deste ano já é a mais grave da história moderna do país, quando medida em área queimada.

Mais de 1 milhão de hectares de florestas foram destruídos na Califórnia este ano — quase 20 vezes o que havia queimado nesta mesma época no ano passado — e houve mais 2.650 focos de incêndios do que em 2019.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.