Por que os homens pararam de usar salto alto?

No passado, peça tinha papel importante no guarda-roupa masculino e ganhou status com o imperador francês Luís 14.

William Kremer, BBC

25 de janeiro de 2013 | 15h32

Por gerações a fio, o salto alto foi sinônimo de feminilidade e glamour, mas, surpreendentemente, no passado, eles também já serviram como um acessório essencial para os homens.

Concebidos originalmente na Pérsia, o território do atual Irã, esse tipo de sapato invadiu rapidamente os imensos guarda-roupas dos imperadores europeus, como o de Luís 14, até serem descartados por completo do vestuário masculino na primeira metade do século 18.

A pesquisadora Elizabeth Semmelhack, do Bata Shoe Musem em Toronto, no Canadá, explica que o salto era um item obrigatório para os cavaleiros persas, uma vez que conferia aos soldados maior domínio sobre seus cavalos.

Na Pérsia Antiga, um bom manejo dos animais era vital para as conquistas regionais.

"Quando o cavaleiro pisava nos estribos, o salto o ajudava a manter a estabilidade para que ele pudesse segurar o arco e disparar as flechas com maior eficiência."

Entretanto, a chegada de um dos maiores objetos de consumo atuais ao Velho Mundo deveu-se em grande parte ao imperador persa Shah Abbas 1 que, no final do século 16, possuía a maior cavalaria do mundo.

Com o objetivo de derrotar seu maior inimigo, o Império Turco Otomano, Abbas viu-se obrigado a estabelecer conexões com os grandes líderes europeus da época.

Para lá, foi enviada, em 1599, a primeira missão diplomática da Pérsia para a Europa, que incluía passagens pelas cortes da Rússia, Noruega, Alemanha e Espanha.

Com os persas, os europeus descobriram um novo universo, entre eles o da moda.

Os sapatos usados pelos súditos de Abbas foram rapidamente adotados pelos aristocratas do Velho Mundo, que, a todo momento, buscavam colecionar objetos que pudessem reforçar seu poder frente aos demais.

Porém, à medida que os sapatos com salto ganharam força também entre as camadas populares, os ricos passaram a aumentar seu tamanho como forma de se diferenciar - e assim o salto alto nasceu efetivamente.

Mas, ao contrário da Pérsia, esses novos sapatos não tinham qualquer utilidade na Europa, especialmente nas ruas esburacadas e enlameadas do século 17.

"A pouca funcionalidade acabava por reforçar o status daqueles que podiam usar tais sapatos", diz Semmelhack, para quem as classes mais ricas sempre usaram roupas pouco práticas, desconfortáveis e luxuosas para divulgar sua condição privilegiada.

"Eles não precisam usar os saltos altos no trabalho e tampouco caminhar longas distâncias", acrescenta.

Monarca francês

Apesar de Imelda Marcos, a viúva do ex-presidente das Filipinas, Ferdinando Marcos, ter sido considerada uma das maiores colecionadoras contemporâneas de saltos altos, dificilmente ela superaria Luís 14, o imperador francês conhecido popularmente como o 'Rei Sol'.

Havia uma razão pelo gosto do monarca pela peça. Apesar de seu prestígio, Luís 14 media apenas 1,63m e, não raro, acrescia sua altura em 10cm com saltos, decorados com imagens de suas conquistas.

Os sapatos e as solas eram sempre na cor vermelha, uma vez que o tingimento era caro e demandava muito tempo. A moda logo se espalhou por outros países da Europa.

O retrato da coroação de Charles 2º, da Inglaterra, em 1661, por exemplo, revelava o monarca usando um par de um salto alto enorme de estilo francês, apesar de medir 1,85m.

Em 1670, Luís 14 publicou um decreto que somente membros de sua corte poderiam usar salto alto vermelho. Não demorou muito tempo para que imitações chegassem aos mercados.

Conexão

Ao passo que os tradicionais sapatos ganharam versões no mercado negro, o item também passou a fazer a cabeça de mulheres e crianças.

"Em 1630, havia mulheres que cortavam seus cabelos bem curtos, acrescentando dragonas (peça metálica com franjas de fios de ouro) às suas roupas", conta Semmelhack.

"Elas também fumavam cachimbos, faziam de tudo para parecer masculinas. Foi quando, justamente, as mulheres adotaram os saltos altos, antes restritos aos homens."

Nessa época, diz a pesquisadora, as classes mais abastardas da Europa seguiam uma moda de sapatos unissex até o fim do século 17, quando houve uma nova revolução.

"A partir deste ponto, começamos a perceber uma mudança", explica Helen Persson, curadora da Victoria and Albert Museum em Londres. "Homens começaram a usar um salto mais baixo, robusto, quadrado, enquanto o das mulheres ganhou formas mais curvilíneas, mais esguias".

Iluminismo

Alguns anos depois, entretanto, o salto alto sofreu forte baque das ideias trazidas com o advento do Iluminismo, que pregava respeito pela racionalidade e pela praticidade, além de uma maior ênfase à educação do que ao privilégio.

Como reflexo dessa nova tendência, os aristocratas começaram a usar roupas mais simples que estavam mais ligadas ao trabalho em suas propriedades.

Foi o começo do que os especialistas chamam de "A Grande Renúncia Masculina", por meio da qual, entre outras coisas, os homens abandonaram o uso de joias, cores brilhantes e tecidos ostentadores em favor de um visual mais homogêneo, sóbrio e escuro.

Assim, o vestuário masculino passou a atuar não tão fortemente como um divisor de classes sociais. E, ao passo que essas fronteiras começaram a ser imbricadas, as diferenças entre os sexos ficaram mais pronunciadas.

"Há discussões de como os homens, a despeito de sua situação, de seu local de nascimento, se educados, poderiam se tornar cidadãos", diz Semmelhack.

"As mulheres, em contrapartida, eram vistas como emocionais, sentimentais e iletradas. O desejo feminino começa a ser construído em termos da moda irracional e o salto alto - uma vez separada de sua função original, que era de vestir cavaleiros - torna-se o exemplo primário do vestuário impraticável."

Os saltos altos passaram, então, a ser vistos como estúpidos e afeminados. Em 1740, os homens interromperam por completo seu uso.

Cinco décadas depois, o item também desapareceu dos pés das mulheres, devido à Revolução Francesa.

Retomada

O salto alto só voltou à moda em meados do século 19, quando a fotografia transformou a maneira como a moda e a imagem da mulher começaram a ser construídas.

Os divulgadores de pornografia estavam entre os primeiros a abraçar a nova tecnologia, registrando fotos de mulheres nuas para divulgá-las em cartões postais, posicionando as modelos em poses que remetiam aos nus clássicos, mas usando saltos altos modernos.

Semmelhack acredita que tal associação com a pornografia permitiu que a peça fosse vista como um adorno erótico para as mulheres.

Para os homens, entretanto, o uso do salto alto nunca voltou com força.

Na década de 60, os populares cowboys dos Estados Unidos chegaram a ensaiar um retorno dos saltos para o público masculino, porém de menor altura.

Mas, mesmo que a era dos homens de salto alto parece ter ficado para trás, Semmelhack acredita em uma retomada.

"Definitivamente", diz ele.

Afinal, se a peça ganhou lugar cativo nos guarda-roupas de imperadores e membros da realeza, por que não poderia retornar aos pés do público masculino? BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
topsalto altohomemguarda roupa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.