Por US$ 600 milhões, Berlusconi põe à venda palácio na Sardenha

Segundo jornal, premiê italiano já não se sente seguro no local, onde paparazzi fotografaram festas com modelos

Jamil Chade, correspondente em Genebra, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2010 | 00h00

Com a popularidade no ponto mais baixo de seu mandato, o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, interrompeu sua agenda nos últimos dias para tratar de um assunto pessoal: colocar à venda seu palácio na Ilha da Sardenha. Célebre pelas festas com jovens em topless, a mansão está sendo negociada por US$ 600 milhões. Xeques árabes e magnatas russos já consideram pagar a fortuna pela casa, conhecida como Villa Certosa.

Berlusconi disse aos agentes imobiliários que já não se sente seguro no local depois das fotos tiradas de suas visitantes por paparazzi no ano passado. A notícia foi divulgada pelo jornal milanês Il Sole 24 Ore.

O primeiro-ministro vive um inferno astral. Sua taxa de aprovação é de 39% e ele rompeu com seu principal aliado, o ex-fascista Gianfranco Fini - o que lhe deixou sem a metade da ampla maioria que tinha no Parlamento. A crise começou com os escândalos sexuais, quando Fini cobrou do governo "mais moralidade" e criticou o estilo de administração do premiê. Seguiram-se derrotas importantes no Legislativo e escândalos de corrupção que envolveram dois de seus ministros, que acabaram renunciando.

O jornal italiano garante que a separação de Berlusconi da atriz Veronica Lario foi um dos motivos também da venda da casa. Sua família, temendo a invasão de privacidade, passou a evitar o local. "Há uma semana, o premiê pediu-me para vender Villa Certosa", afirmou ao Il Sole 24 Ore Claudio Giuntoli, agente imobiliário.

Projeto polêmico. O comprador ficará com 80 hectares de um terreno com duas praias privadas, 4 mil metros de construção, lagos artificiais, seis piscinas e um teatro, além de verdadeiras boates. O terreno havia sido adquirido nos anos 80 pelo primeiro-ministro. Mas o projeto levou dez anos para ser aprovado pelas autoridades locais. Quando Berlusconi conseguiu o aval para construir seu palácio, em 1993, não tinha dinheiro suficiente. Naquele mesmo ano, entrou para a política e só alguns anos depois começaram as obras.

Logo a casa se transformou no local preferido da família Berlusconi para passar suas férias de verão. Tony Blair, ex-premiê britânico, e vários outros líderes europeus foram convidados ao local, que acabou ganhando status de palácio do governo. Em 2006, Berlusconi decidiu reformar o local, em uma obra que teria custado US$ 12 milhões.

A casa, porém, foi palco da visita da jovem Noemi Letizia, a quem a imprensa atribuiu um romance com o premiê, que tem 74 anos. Pouco antes, garotas que tomavam sol quase sem roupa, foram fotografadas numa das piscinas da mansão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.