AP
AP

Porcos mortos em rio de Xangai passam de 12,5 mil

Moradores locais disseram à mídia estatal que houve aumento de porcos no rio após uma campanha da polícia contra o comércio ilícito de produtos suínos, derivados de animais doentes

Agência Estado

16 de março de 2013 | 12h09

O número de porcos mortos retirados das águas de um rio que passa pelo centro financeiro de Xangai chegou a 12.566. Autoridades da cidade retiraram 611 carcaças de porcos mortos neste sábado do rio Huangpu, que fornece água para os moradores da cidade, cuja população é de 23 milhões.

Acredita-se que os porcos, inchados e em estado de putrefação, sejam provenientes da cidade de Jiaxing, na província vizinha de Zhejiang, mas o vice-prefeito Zhao Shumei disse que ainda não se sabe se todos os porcos são provenientes da cidade.

Jiaxing, onde predominam pequenas fazendas de porcos, informou na noite de sexta-feira que havia retirado 3.601 porcos mortos em suas águas, segundo dados oficiais.

O veterinário chefe do Ministério de Agricultura da China, Yu Kangzhen, que viajou para a região para investigar as mortes, disse à mídia estatal neste sábado que não houve uma grande epidemia suína, mas informou que algumas amostras deram positivo para o circovírus suíno e para um vírus epidêmico de diarreia. Yu disse também que o tempo frio e as alterações de temperatura provocaram uma onda de mortes em filhotes de porcos. Moradores locais disseram à mídia estatal que houve aumento de porcos no rio após uma campanha da polícia contra o comércio ilícito de produtos suínos, derivados de porcos doentes.

Em Xangai, as autoridades asseguraram várias vezes aos moradores que a água das torneiras é segura, mas os residentes continuam preocupados a respeito de uma possível contaminação. Em 2012, cerca de 130 mil fazendas de porcos produziram mais de 7 milhões de animais, segundo dados da mídia estatal. As informações são da Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaporcosvírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.