Pornografia na Câmara dos Comuns

Rede do Parlamento britânico tem 300 mil tentativas de acesso a sites eróticos em um ano

O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2013 | 02h03

Mais de 300 mil tentativas de acessar sites pornográficos foram feitas nos últimos 12 meses na Câmara Baixa do Parlamento britânico, revelou ontem o site Huffington Post. O levantamento foi feito um mês depois de o primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciar que a maioria dos servidores de internet do país bloqueariam automaticamente conteúdo pornográfico, a não ser que a liberação seja requisitada.

A publicação obteve os registros com base na lei de acesso à informação britânica. Os sites teriam sido acessados por parlamentares, assessores e funcionários do Legislativo. Ao menos 5 mil pessoas trabalham no Parlamento britânico.

Por meio de uma porta-voz, a Câmara dos Comuns contestou as cifras. Segundo a representante, o número inclui páginas bloqueadas, pop-ups e conteúdo que replica na tela automaticamente, comuns em sites pornográficos.

"Não consideramos que esses dados sejam uma representação precisa das visitas feitas por usuários da rede", disse a porta-voz à rede de TV britânica BBC. "Há várias maneiras que sites podem ser desenhados para abrir e reagir com o usuário."

A porta-voz ainda colocou em dúvida a alegação de que parlamentares e funcionários teriam acessado o conteúdo. "Há softwares que podem desencadear isso", acrescentou.

Os dados revelados pelo Huffington Post indicam um comportamento bastante errático dos acessos a sites pornográficos no Parlamento britânico entre maio de 2012 e junho deste ano.

O pico das buscas ocorreu em novembro, quando sites pornográficos foram acessados 114.844 vezes. Em abril, houve 55 mil buscas, que caíram para 18 mil em maio. A porta-voz do Parlamento acrescentou que vídeos inseridos e fotos também contribuem para uma distorção dos números.

Segundo Cameron, que é do Partido Conservador, a pornografia na Grã-Bretanha está "corroendo a juventude" e distorcendo a compreensão dos menores de idade sobre sexo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.