Poroshenko adverte que pode cancelar cessar-fogo

O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, advertiu nesta terça-feira que ele poderia cancelar o cessar-fogo com os insurgentes do leste do país depois que um grupo de rebeldes derrubaram helicóptero do governo, matando ao menos pessoas.

AE, Agência Estado

24 de junho de 2014 | 16h33

Em uma reunião com chefes de segurança, Poroshenko disse que separatistas pró-Rússia, que controlam grandes áreas das regiões orientais do país abriram fogo contra as forças do governo 35 vezes desde que ele anunciou o início do "plano de paz" na sexta-feira, de acordo com um comunicado publicado no site presidencial.

Na sexta-feira passada, Poroshenko ordenou que as forças do governo iniciariam um cessar-fogo de sete dias. Os líderes separatistas declararam nesta segunda-feira que iriam respeitar a deposição das armas depois de reuniões com representantes de Kiev.

"O presidente não descartou o cancelamento do acordo de cessar-fogo devido às contínuas violações de militantes que estão sob controle externo", disse o comunicado presidencial. A Ucrânia acusa a Rússia de controlar os separatistas fornecendo-lhes armas, o que Moscou nega.

Poroshenko disse aos chefes de segurança que as forças do governo deveriam atirar de volta "sem hesitação" se eles forem atacados.

O comunicado relata ainda que Poroshenko espera manter diálogos telefônicos com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, o presidente Francês, François Hollande, e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel. O objetivo das conversas é "pressionar que a Rússia garanta o desarmamento e a retirada das tropas de mercenários da Ucrânia" e a introdução de um regime de segurança confiável na fronteira. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Ucrâniacessar-fogocancelamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.