Poroshenko e Putin dizem que cessar-fogo não foi violado

Os presidentes da Ucrânia, Petro Poroshenko, e da Rússia, Vladimir Putin, afirmam que o cessar-fogo firmado entre Kiev e separatistas pró-Moscou na sexta-feira está sendo respeitado, de acordo com declarações do Kremlin e de Kiev.

Estadão Conteúdo

06 de setembro de 2014 | 19h05

Em um telefonema, os dois presidentes "discutiram medidas para tornar o cessar-fogo permanente", segundo comunicado divulgado no site da Presidência da Ucrânia. Eles ainda teriam discutido as entregas de ajuda humanitária às regiões afetadas pelo conflito.

Putin e Poroshenko falaram sobre o monitoramento do cessar-fogo pela Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, de acordo com os comunicados. O frágil cessar-fogo que começou às 6h (horário local) de sexta-feira não impediu o Ocidente de lançar uma nova rodada de sanções à Rússia.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse em comunicado que a União Europeia "está praticamente enviando um sinal de apoio direto ao "partido da guerra" em Kiev, de que não está contente com os resultados da reunião de Minsk". "Em vez de febrilmente procurar maneiras de afetar as economias de seus próprios países e da Rússia, a União Europeia deveria trabalhar no apoio à recuperação econômica da região de Donbas", o reduto rebelde industrializado no leste da Ucrânia, disse o comunicado.

Relatórios anteriores de ambos os lados - exército de Kiev e rebeldes - informaram que a trégua foi respeitada. Tanto o exército ucraniano quanto os rebeldes, no entanto, afirmaram que provocações ocasionais ocorreram. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
UcrâniaPoroshenkoPutin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.