Poroshenko espera que diálogo com rebeldes leve à paz

O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, disse esperar que negociações com separatistas pró-Moscou, previstas para o fim da semana em Minsk, capital da Bielorrúsia, levem ao início de um processo de paz em seu país. Comunicado divulgado em sua página na internet, no entanto, não fez menção direta a um plano de cessar-fogo anunciado horas antes pelo presidente russo, Vladimir Putin.

Estadão Conteúdo

03 de setembro de 2014 | 13h08

Representantes de Kiev devem se reunir na sexta-feira (05) com insurgentes em Minsk para negociações que serão mediadas pela Rússia e pela Organização para a Segurança e Cooperação (OSCE, na sigla em inglês).

Poroshenko também apelou aos políticos ucranianos que apoiem o esforço de paz. Alguns deles já haviam criticado a proposta de acordo.

"A paz é nossa primeira tarefa", disse Poroshenko no comunicado, confirmando que discutiu mais cedo com Putin sobre como interromper a violência no leste ucraniano.

O comunicado, porém, não citou detalhes do plano de Putin, em particular a exigência do Kremlin de que Kiev retire suas forças de áreas controladas por separatistas. Isso seria uma grande concessão para Poroshenko, que vem se referindo aos rebeldes pró-Moscou como terroristas e que prometeu neutralizá-los. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
UcrâniaRússiaPoroshenko

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.