Porta-voz do governo afirma que cirurgia de Cristina foi 'satisfatória'

Segundo Alfredo Scoccimarro, a presidente já está no quarto e 'manda cumprimentos a todos'

ARIEL PALACIOS - CORRESPONDENTE,

08 de outubro de 2013 | 09h02

Partidários de Cristina fazem vigília em hospital. Foto: Martín Quintana / Efe

(Atualizada às 13h35) BUENOS AIRES - O porta-voz da Casa Rosada, Alfredo Scoccimarro, anunciou nesta terça-feira, 8, que a presidente Cristina Kirchner recupera-se "bem" da operação à qual foi submetida pela manhã no Hospital Fundação Favaloro, no centro da capital argentina. Sorrindo, Scoccimarro afirmou que Cristina "já está em seu quarto" e que "manda cumprimentos a todos".

Veja também:

linkENTREVISTA: ‘Peronistas não podem se dar ao luxo de fraquezas’

linkCENÁRIO: Histórico mostra ocultação de doenças

O porta-voz não deu detalhes técnicos, mas resumiu que a cirurgia teve um resultado "satisfatório". No relatório médico distribuído, a equipe médica indicou que a cirurgia transcorreu com a "evacuação do hematoma sem complicações".

Enquanto Scoccimarro afirma que a presidente está repousando em seu quarto, a equipe de médicos afirma que Cristina permanece na UTI.

Durante toda a manhã, o governo manteve profundo silêncio, sem sequer informar a hora do início da operação. Após horas de espera, sem informações oficiais sobre o andamento da cirurgia da presidente Cristina Kirchner, o governador da província de Buenos Aires, Daniel Scioli, declarou que "a intervenção cirúrgica terminou...está tudo bem". Scioli, um aliado do governo Kirchner, afirmou que a presidente estava "recuperando-se da anestesia."

Segundo Scioli, Cristina "se Deus quiser, estará em breve entre nós, dedicando-se a seu projeto político, que é sua paixão". Cristina foi operada para a drenagem em um hematoma que possui desde agosto nas membranas do cérebro.

Do lado de fora do hospital acumula-se uma centena de jornalistas. Ao contrário de janeiro do ano passado, quando Cristina foi operada no Hospital Austral da cidade de Pilar por um tumor cancerígeno (cuja existência, dias depois, o governo teve que negar), a militância kirchnerista é escassa. Na calçada da Fundação Favaloro apenas aglomeravam-se poucas dezenas de simpatizantes da presidente.

Enquanto persiste o hermetismo por parte da Casa Rosada, continuam as críticas ao vice-presidente Amado Boudou, que acumula seis processos na Justiça por irregularidades. O empresariado argentino, crítico em relação a Cristina, é ainda mais ácido quanto ao vice-presidente..

Analistas de opinião estimam que a doença da presidente, ao contrário da época em que ficou viúva, não teria um efeito de grande empatia na população.Embora a internação da presidente crie um clima de solidariedade, isso não teria peso para alterar o resultado das eleições parlamentares do dia 27, na opinião desses especialistas.

Tudo o que sabemos sobre:
Cristina KirchnerArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.