Porta-voz do governo argentino rasga 'Clarín' em rede nacional

No domingo, o jornal publicou o que dizia ser uma versão preliminar de denúncia feita pelo promotor Nisman contra a presidente Cristina

RODRIGO CAVALHEIRO, DE BUENOS AIRES / CORRESPONDENTE, O Estado de S. Paulo

02 de fevereiro de 2015 | 18h53

O porta-voz da presidência argentina, Jorge Capitanich, rasgou um exemplar do Clarín ao vivo e em cadeia nacional em entrevista na Casa Rosada nesta segunda-feira, 2. 

No domingo, o jornal publicou o que apontava ser uma versão preliminar, encontrada no lixo do promotor Alberto Nisman, da denúncia feita contra a presidente. Em trechos cobertos com tinta preta, estaria a intenção de pedir a prisão de Cristina Kirchner. 

A informação foi desmentida pelo juiz Ariel Lijo, que disse ter feito os riscos para manter em segredo trechos da denúncia, e pela promotora Viviana Fein, que investiga a morte. 

O jornal considerou que o governo cruzou um novo limite na escalada de intolerância e agressão contra a imprensa”. Associações de imprensa argentinas também criticaram o governo.

Tudo o que sabemos sobre:
ArgentinaClarínJorge Capitanich

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.