Porta-voz do governo nega que Haniye tenha sofrido um atentado

O porta-voz do governo palestino, lideradopelo grupo islâmico Hamas, Ghazi Hamad, negou nesta sexta-feira que oprimeiro-ministro Ismail Haniye tenha sofrido um atentado na saídade uma mesquita no centro da Faixa de Gaza. Porém acredita-se que tenha sido um ataque contra o premier, realizado por membros do Fatah. Em um breve comparecimento perante os meios de comunicação, Hamaddisse que a comitiva do primeiro-ministro passou pelo campo derefugiados de Nuseirat no início da tarde de sexta-feira, quando por acasoaconteceu um incidente armado entre famílias rivais. O porta-voz acrescentou que um grupo de indivíduos disparoucontra um veículo do campo de refugiados e não contra os que faziamparte do comboio do chefe do governo. No entanto, um carro do comboio foi atingido e ficou destruído. As evidências apontam para um ataque contra o premier palestino, apesar do porta-voz do governo negar e apresentar outra versão para o incidente. O ataque teria sido realizado por membros do partido rival Fatah. Segundo o porta-voz, os autores dos disparos, membros do clã dos Ramadan, tentavamvingar a morte de um de seus parentes há três semanas por disparosde agentes da Força Auxiliar de Segurança, criada pelo Ministério doInterior palestino e leal ao Hamas. No meio do tumulto, os guarda-costas do primeiro-ministrodispararam para o ar para esvaziar a área e permitir a movimentaçãodo comboio, por isso, em princípio, pensou-se que o ataque teveHaniye como alvo. O chefe do governo palestino saía de uma mesquita da região, ondeexpressou durante uma de suas freqüentes homilias das sextas-feiras,sua rejeição à convocação de eleições antecipadas, tal como pretendefixar o presidente palestino, Mahmoud Abbas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.