Porta-voz do Hamas é preso com US$ 800 mil

O porta-voz do Hamas Abu Zuhri foi preso nesta sexta-feira quando tentava transportar US$ 817 mil em euros para a Faixa de Gaza, escondendo as notas embaixo de sua camisa. Este foi o primeiro flagrante de "contrabando" de dinheiro entre membros do governo do Hamas, que enfrenta uma grave crise financeira graças à sanções econômicas impostas pelo Ocidente. Forças de segurança palestinas confiscaram a quantia na passagem de Rafah, na fronteira entre Gaza e Egito, e o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, ordenou a abertura de uma investigação. A decisão de Abbas deve aumentar as tensões depois que tropas leais ao presidente e a nova milícia do Hamas trocaram tiros no inicio da sexta-feira. O porta-voz do grupo assegurou nesta sexta-feira à rede de TV saudita Al Arabiya que o confisco do dinheiro em Gaza representa uma "desonra" contra o povo palestino. "Este dinheiro era parte das doações do povo palestino para os irmãos que vivem dentro da pátria", acrescentou Abu Zuhri.O integrante do Hamas alegou que recorreu a este meio depois que todos os outros foram bloqueados, segundo informações do oficial do governo Ghazi Hamad.O líder e deputado do Hamas no Conselho Legislativo Palestino (Parlamento), Mushir Al-Masri, disse em Gaza que os US$ 800 mil tinham sido arrecadados nas últimas semanas em países árabes e islâmicos "para apoiar o Governo palestino" e que a quantia deve ser devolvida.Além disso, indicou que o dinheiro tinha sido "liberado" e que "está a caminho das mãos do Executivo palestino", liderado pelo Hamas, algo que foi desmentido por fontes ligadas às forças de segurança e observadores do terminal de Rafah. Contudo, fontes em Rafah informaram que uma força especial da ANP, que trabalha para o presidente Abbas, chegou à passagem esta tarde para recolher o dinheiro e o transportou até as dependências do fiscal geral da Cidade de Gaza. Crise financeira O Ocidente congelou a ajuda financeira à Autoridade Palestina depois que o Hamas assumiu o poder nas eleições em março. O novo governo ainda não conseguiu pagar seus 165 mil funcionários, cuja renda sustenta um terço das famílias palestinas. Dezenas de milhares de dólares em ajuda de países árabes e muçulmanos não puderam chegar ao governo do Hamas pois bancos árabes temem infringir a legislação antiterrorista do Estados Unidos e se recusam a transferir a quantia.O grupo lançou uma campanha de arrecadação de fundos em mesquitas, pedindo que os fiéis façam doações aos cofres públicos. Em uma mesquita na Cidade de Gaza, cerca de 500 pessoas doaram jóias e dinheiro depois das orações de sexta-feira. Contudo, a campanha é meramente simbólica, já que o governo precisa de pelo menos US$160 milhões por mês para pagar os salários e prover os serviços básicos à população.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.