Porta-voz dos EUA critica modo como Saddam foi executado

O porta-voz das forças dos Estados Unidos no Iraque, William Caldwell, criticou nesta quarta-feira, 3, os procedimentos da execução do ex-presidente iraquiano Saddam Hussein e negou qualquer vínculo de Washington com os fatos que ocorreram durante o enforcamento."Se Saddam estivesse em nossas mãos teríamos agido de outra forma, diferente do governo iraquiano", afirmou o responsável americano em entrevista coletiva concedida em Bagdá.Caldwell explicou que as forças americanas no Iraque se inteiraram da decisão da execução de Saddam através do governo iraquiano, que pediu que o ex-presidente fosse levado a um centro de detenção iraquiano e que sua custódia fosse transferida às forças iraquianas.O general afirmou que um grupo de soldados americanos disse a ele que Saddam foi tratado com respeito antes de ser entregue às forças iraquianas e acrescentou que o ex-presidente agradeceu os soldados que o custodiavam pelo bom tratamento que recebeu.Caldwell disse que as forças americanas não se informaram sobre o local da execução porque consideravam que este assunto não era de sua competência.O porta-voz militar informou que, após a execução, as autoridades iraquianas pediram às forças americanas que levassem o corpo de Saddam a Tikrit, junto a pessoas que vieram receber seu corpo.Sobre as repercussões da execução, Caldwell mostrou sua preocupação e disse que temiam uma escalada da violência no mesmo dia do enforcamento de Saddam."Colocamos em alerta máximo nossos dispositivos de segurança nas áreas mais perigosas e duplicamos o número de efetivos em vários bairros de Bagdá", informou.No que diz respeito às baixas do Exército americano no Iraque, o porta-voz militar disse que 800 soldados americanos morreram em 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.