Porta-voz nega morte de líder de oposição afegão

Um porta-voz de Ahmed Shah Massood, líder oposicionista afegão, negou nesta sexta-feira o comunicado do governo francês sobre a morte do líder. "As informações sobre sua morte são falsas. Ele encontra-se em estado grave, mas não morreu", disse o doutor Abdula, porta-voz de Massood, à Associated Press no Paquistão. Em Moscou, o primeiro-secretário da embaixada afegã, Ghulam Sakhi Ghairat, disse não dispor de informações que confirmem o comunicado do ministro francês das Relações Exteriores, Hubert Vedrine.Na última vez em que falou com familiares de Massood, por volta das 11h (horário de Brasília) de hoje, disseram a ele que o líder estava em "coma profundo". Em Dushanbe, o adido militar da embaixada afegã em Moscou, Muhamad Salekh Registani, negou a morte de Massood. Mas o real estado de saúde de Massood, após um atentado, ainda é um mistério.Líderes da oposição afegã negam com veemência as versões sobre sua morte. Pela manhã, informou-se que Massood entrou em coma pela terceira vez desde que foi ferido durante um atentado suicida no fim de semana. Ontem a oposição afegã nomeou o general Muhammad Fahin como líder militar para substituir Massood temporariamente.Massood, um ativo líder opositor desde 1973, foi atingido quando dois homens, que se passaram por jornalistas, detonaram uma bomba, provavelmente escondida na câmera que levavam. Na explosão, além dos dois homens-bomba, morreu também o porta-voz de Massood.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.