Portas estão abertas para diálogo sobre programa nucelar com Irã, diz Rússia

Segundo chanceler, sanções mostram ao Irã que governo deve dar respostas à AIEA

Agência Estado

30 de junho de 2010 | 09h23

LONDRES - A comunidade internacional deixou as portas abertas para o Irã retomar o diálogo diplomático sobre seu programa nuclear, afirmou nesta quarta-feira, 30, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, segundo a agência russa RIA Novosti. "Nós estamos interessados na retomada do mecanismo de diálogo com o Irã para discutir seu programa nuclear e temas que dizem respeito à parte iraniana", afirmou Lavrov no Cairo, durante um giro pelo Oriente Médio.

 

Veja também:

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

lista Veja as sanções aplicadas ao Irã

 

O ministro russo afirmou que as sanções recentemente aprovadas no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) contra o Irã são essenciais para mostrar que o país não deve demorar a "responder questões legítimas que a AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) apresentou ao Irã". Lavrov disse que a Rússia "não acredita em sanções", já que elas geralmente não trazem os resultados desejados.

 

Teerã sofreu este mês uma quarta rodada de sanções no Conselho por se recusar a interromper o enriquecimento de urânio. O país persa alega ter apenas fins pacíficos em seu programa nuclear, mas potências lideradas pelos EUA temem que o Irã busque secretamente produzir armas nucleares. As informações são da Dow Jones.

 

A Rússia, membro permanente do Conselho de Segurança, inicialmente se opunhas à resolução da ONU e disse que só as apoiaria se não afetassem o povo iraniano e tivessem impacto significativo sobre a economia do país persa. Recentemente, os russos criticaram a União Europeia e os EUA por adotarem medidas que ampliam o efeito das sanções sobre o Irã.

 

Na terça-feira, Lavrov indicou que a Rússia, a França e os EUA querem realizar uma reunião com especialistas nucleares do Irã e inspetores da AIEA, mas que isso só ocorreria se Teerã deixasse de enriquecer urânio a 20%. Na segunda, os iranianos disseram que não negociariam até o fim de agosto.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclearRússiadiálogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.