REUTERS/Adrees Latif
REUTERS/Adrees Latif

Portland declara emergência após incêndios chegarem perto de subúrbios da cidade

Fogos na Costa Oeste dos Estados Unidos atingem proporções históricas e devastam cidades e florestas

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2020 | 12h47

PORTLAND - A crise dos incêndios florestais na Costa Oeste nos Estados Unidos atingiu atingiu uma nova escala na sexta-feira, 11, quando grandes incêndios, impulsionados por ventos imprevisíveis, se uniram e atingiram cidades e subúrbios. Líderes estaduais imploraram ajuda de vizinhos para combate a incêndios e centenas de milhares de pessoas foram instruídas a deixar suas casas na Califórnia, em Oregon e em Washington

Os três Estados enfrentam uma temporada de incêndios florestais de proporções históricas, com o esforço de combate a incêndios agravado pela pandemia do coronavírus e a desinformação nas redes sociais. Pelo menos 15 pessoas morreram nos incêndios, com expectativa de mais, enquanto as equipes fazem buscas em casas queimadas.

Os incêndios devastaram mais de 1,2 milhão de hectares na Califórnia, quase 400 milhões de hectares no Oregon e destruíram cidades inteiras em Washington. “Nunca vimos tanto fogo incontido em nosso Estado”, disse a governadora Kate Brown de Oregon, onde os incêndios em Beachie Creek e Riverside ameaçam se fundir perto dos subúrbios de Portland.  

O prefeito de Portland, Ted Wheeler, declarou estado de emergência na noite de quinta, e os moradores de Molalla, cerca de 50 quilômetros ao sul, lotaram as rodovias enquanto fugiam dos incêndios que se aproximavam. Até o momento, cerca de 500 mil pessoas no Estado tiveram de deixar suas casas, de acordo com Bobbi Doan, porta-voz do Escritório de Gerenciamento de Emergências do Oregon.

“Infelizmente, o sistema meteorológico ainda não está nos dando um alívio”, disse Brown em uma entrevista coletiva na quinta, acrescentando que os ventos estavam “criando um movimento imprevisível dos incêndios”.

Imagens de satélite da Costa Oeste mostravam uma linha com uma fumaça densa. Na sexta, os moradores acordaram, novamente, com avisos de ar perigoso e, em alguns lugares, chuva de cinzas.

O Serviço Nacional de Meteorologia afirmou que uma enorme nuvem de fumaça cairia sobre o estado de Washington na sexta, tornado as condições respiratórias prejudiciais ao Estado. “As coisas vão piorar antes de melhorar no oeste de Washington”, informou o serviço.

Fumaça pesada também foi prevista ao longo da costa da Califórnia, em muitos lugares se misturando com neblina e reduzindo seriamente a visibilidade, já que dezenas de incêndios ocorreram em todo o Estado.

Embora os bombeiros tenham obtido 20% de contenção sobre o incêndio do Complexo Norte, que queimou quase 100 mil hectares a leste de Sacramento, um incêndio a leste de Fresno ainda estava descontrolado na noite de quinta, queimando mais de 70 mil hectares. 

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, implorou aos moradores para ouvirem as ordens de deixarem suas casas, enfatizando a magnitude da temporada de incêndios. “Seis dos 20 maiores incêndios florestais da história da Califórnia ocorreram em 2020”, disse ele no Twitter. “Se você for solicitado a sair de sua casa, faça-o imediatamente.” / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.