Porto Rico pressiona EUA por inclusão como 51º estado

O governador de Porto Rico, Luis Fortuño, vai realizar uma sessão extraordinária para pressionar a aprovação da resolução que determina que o Congresso norte-americano e o presidente Barack Obama honrem os resultados de um recente referendo que mudaria o status político da ilha.

AE, Agência Estado

08 de dezembro de 2012 | 19h48

Porto Rico aceitou se tornar um estado norte-americano em referendo realizado no dia 6 de novembro. Para que a decisão se consolide e Porto Rico se torne mais um estado americano, o Congresso dos EUA ainda precisa aprová-la. Fortuño lembrou que o Congresso e Obama prometeram respeitar os resultados do referendo.

Dividido em duas partes, o referendo questionava se a ilha deveria alterar a relação de 114 anos com os EUA. Quase 54% - ou 922.374 pessoas - preferiram mudar as condições da parceria, já 46% - ou 786.749 cidadãos - optaram por manter a situação vigente.

A segunda questão dizia respeito ao modelo de parceria com os EUA. A opção de aceitar a soberania ianque como mais um Estado foi a mais votada com 61% dos votos. A associação de soberania livre, que permite uma autonomia maior, recebeu 33% das indicações e a independência, apenas 5%.

Mais conteúdo sobre:
Porto RicoEUAreferendo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.