Porto Rico quer voz maior na disputa democrata pela Casa Branca

Empolgados pela possibilidade de daremos votos decisivos na corrida pela Casa Branca entre ossenadores Barack Obama e Hillary Clinton, os democratas dePorto Rico decidiram organizar primárias em vez dos maiscasuais e menos concorridos caucus. Os democratas da ilha caribenha, que na verdade não vota naeleição presidencial de novembro, podem impulsionar Hillary,porque os votos hispânicos nas primárias têm sido dadosmajoritariamente para ela. A mudança foi gerada pelo acirramento da disputa entreObama e Hillary para conquistar a nomeação do partido para aseleições presidenciais, disseram autoridades. Os democratas locais geralmente organizam um caucus porquea disputa normalmente é decidida antes de a ilha votar, o queacontecerá em 1o de junho. "Todo mundo estava com a impressão de que a eleição estariaterminada em fevereiro, mas o tempo mostrou que estávamoserrados", disse o advogado Roberto Prats, presidente do PartidoDemocrata de Porto Rico. Um caucus democrata teria que organizar reuniões informaisem oito locais diferentes, com os votos sendo levados pelosapoiadores que se movimentariam por partes diferentes de umasala. Mas nas primárias, os porto-riquenhos poderão votarsecretamente em cédulas nos cerca de 3 mil postos eleitorais emtoda a ilha. As votações em Porto Rico estão as de maior participação emtodo o mundo. Com o entusiasmo pela disputa, os líderes partidáriossentiram que um caucus seria caótico, especialmente pelo fatode os democratas locais estarem divididos entre os que apoiam aidéia de transformar a ilha em Estado norte-americano e os quequerem manter o status atual. "Nós sentimos que os olhos do mundo estarão sobre nós e nósqueremos votar da forma que estamos acostumados", disse Prats. O território porto-riquenho manda 63 delegados para aconvenção que escolherá o candidato democrata.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.