Portugal se dispõe a receber detentos de Guantánamo

Os países da União Européia deveriam se oferecer para receber detentos libertados da prisão norte-americana da Base Naval de Guantánamo, disse o ministro das Relações Exteriores de Portugal em carta publicada hoje e enviada antes aos seus congêneres europeus. O chanceler Luís Amado disse que Portugal deverá dar asilo a detentos que não possam regressar aos países de origem. Atualmente a prisão de Guantánamo, que deverá ser fechada pelo presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, tem 250 presos. As nações européias concordam que a prisão precisa ser fechada, mas ativistas dos direitos humanos dizem que muitos detentos serão perseguidos se regressarem aos países de origem. Amado enviou a carta aos chanceleres europeus ontem, para marcar o aniversário dos 60 anos da assinatura da Declaração Universal dos Direitos Humanos, comemorado no dia 10.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.