AP Photo/Evan Vucci
AP Photo/Evan Vucci

Posse de juiz escolhido por Trump restaura maioria conservadora da Suprema Corte dos EUA

Gorsuch preencheu uma vaga que ficou aberta durante 14 meses devido à morte do juiz conservador Antonin Scalia em fevereiro de 2016

O Estado de S. Paulo

10 Abril 2017 | 20h06

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, comemorou a maior vitória política de seu governo em uma cerimônia na Casa Branca nesta segunda-feira, 10, durante a qual seu escolhido para a Suprema Corte, o juiz Neil Gorsuch, tomou posse. Sua chegada pode causar um impacto imediato em um tribunal que volta a ter uma maioria conservadora.

Trump conseguiu cumprir uma promessa de campanha quando o Senado, dominado pelos republicanos, confirmou o juiz de apelações do Estado do Colorado no cargo vitalício em uma votação na sexta-feira, apesar da oposição veemente dos democratas.

Com Gorsuch, a Corte agora tem cinco juízes conservadores e quatro liberais, uma maioria que pode ser crucial nas decisões sobre uma variedade de temas como aborto, controle de armas, pena de morte, poderes presidenciais, gastos políticos, regulamentação ambiental e direitos religiosos.

Falando no Jardim Rosa da Casa Branca, Trump ligou a ocasião aos objetivos políticos de sua gestão enquanto os outros oito magistrados da maior instância jurídica do país observavam.

"Hoje estamos em um processo de revisão e renovação, e também de reconstrução de nosso país", disse Trump a uma plateia que incluía ativistas conservadores e autoridades de governo.

"Um novo otimismo está se espalhando por nossa terra e uma nova fé na América está enchendo nossos corações e elevando nossos olhares".

Gorsuch preencheu uma vaga que ficou aberta durante 14 meses devido à morte do juiz conservador Antonin Scalia em fevereiro de 2016. O juramento de Gorsuch foi ministrado pelo juiz Anthony Kennedy, para quem Gorsuch trabalhou na juventude, o que faz dele o primeiro juiz da Suprema Corte a servir ao lado de um ex-chefe. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.