Posse de Obama tem esquema inédito de segurança

Militares montaram operações contra eventuais ataques químicos e biológicos.

Bruno Garcez, BBC

20 de janeiro de 2009 | 15h18

Um aparato de segurança sem precedentes foi montado para a posse do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, nesta terça-feira. Um total de 58 agências federais estão trabalhando na segurança do evento, diversas ruas e estações de metrô nas imediações da cerimônia estão fechadas e até mesmo pontes ligando o Estado vizinho de Virgínia à capital americana foram bloqueadas.Entre os que atuam nas operações de segurança estão mais de 12.500 soldados, diversos militares da reserva, 8 mil policiais de Washington e das cidades nas imediações, além de mil oficiais do Corpo de Bombeiros. O controle da operação está a cargo do Serviço Secreto americano.Aeronaves do Exército patrulham o espaço aéreo de Washington e o rio Potomac está cheio de embarcações armadas. Os militares também poderão fazer uso de mísseis terra-ar, na eventualidade de um ataque ou para impedir que ele ocorra.Os militares também montaram operações de prevenção contra possíveis ataques químicos e biológicos e organizaram operações de emergência de larga escala. MultidãoDe acordo com o FBI, o aparato de segurança não se deve ao temor de que um ataque terrorista ocorra, mas sim devido ao elevado número de espectadores aguardado. Estima-se que mais de 2 milhões de pessoas compareceram ao evento.Autoridades mapearam eletronicamente todos os passos do evento, desde o seu ponto de partida, nos degraus do Capitólio - onde Obama fez seu juramento - até a Casa Branca, o destino final da cerimônia.Por conta da operação gigantesca, uma área de três quilômetros quadrados da capital americana, que abrange a Casa Branca, o Capitólio e as imediações das duas construções, foi transformada em um setor de ultra-segurança.Os que foram à cerimônia tiveram de passar por postos de segurança, onde foram submetidos a exames de raios-X. Foram proibidas mochilas, guarda-chuvas, cartazes, animais domésticos, bicicletas e quaisquer objetos contundentes.'Sucessor designado'Uma das autoridades do futuro governo que não está presente na cerimônia de posse é o secretário de Defesa, Robert Gates, que permanecerá à frente da pasta durante a gestão Obama. Gates será mantido em um local secreto, pois foi escolhido para ser o que, no jargão político americano, é conhecido como o ''sucessor designado''.Na prática, o ''sucessor designado'' é o que acumula a função de administrar o governo caso uma catástrofe comprometa a transferência de poder.Ele foi escolhido pela administração de George W. Bush, com o consentimento de Obama.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.