Possível novo premier palestino teve formação nos EUA

Os movimentos rivais Fatah e Hamas concordaram nesta segunda-feira em indicar o professor formado nos EUA Mohammed Shabir como candidato para o cargo de premier de um governo de coalizão para Autoridade Nacional Palestina (ANP). A formação do gabinete que unirá todas as forças políticas palestinas vinha sendo discutido pelos dois grupos há meses, e tem por objetivo acabar com o doloroso boicote à ajuda humanitária imposto pelo ocidente após a eleição do Hamas. O acordo quanto ao premier foi o mais forte sinal de progresso nas negociações, que tem se arrastado por meses. Ainda é incerto, no entanto, se o novo governo, que os negociadores afirmam que pode estar definido em uma semana, será aceito pelo ocidente, especialmente se for mantida a demanda pelo reconhecimento do Estado de Israel. Tanto Israel quanto os EUA sinalizaram a vontade de conversar com o governo palestino caso o novo gabinete apresente moderação. Por isso, os governos dos dois países afirmaram querer ver o novo programa de governo antes de emitir um julgamento. O acordo para nomear Shabir como premier foi anunciado na Síria por Moussa Abu Marzouk, alto membro da liderança do Hamas no exílio. O presidente Mahmoud Abbas também apóia a nomeação, segundo assistentes. O Hamas e o Fatah esperam que Shabir, de 60 anos de idade, intelectual de fala mansa com doutorado em microbiologia pela Universidade de West Virginia, irá ajudar a persuadir Israel e o ocidente a levantar as sanções econômicas impostas após o atual governo liderado pelo Hamas assumir o poder em março. Israel, os Estados Unidos e a União Européia afirmam que o governo palestino deve renunciar à violência e reconhecer o direito de Israel a existir, condições que o Hamas rejeitou diversas vezes. Pragmático Shabir nunca se posicionou sobre Israel em público, mas colegas o descrevem como pragmático. Ao falar com o jornal israelense Haaretz, Shabir mostrou vontade de negociar com Israel, dizendo que ele agiria "realisticamente" se formalmente nominado. O professor é bem conhecido na Faixa de Gaza e tem condições de superar as diferenças entre o Hamas e o mais moderado Fatah de Abbas. A luta pelo poder entre os dois lados tem periodicamente resultado em violência nos últimos meses. Shabir foi reitor da Universidade Islâmica de Gaza, um reduto do Hamas, durante 15 anos, antes de se aposentar no ano passado. No cargo de reitor, Shabir manteve boas relações com o Hamas. Muitos membros importantes do Hamas trabalharam ou ensinaram na universidade, inclusive o atual premier, Ismail Haniye, que foi chefe de equipe de Shabir. Sabe-se que Shabir é simpático ao Hamas, mas ele não é membro do partido. Shabir também desfruta de uma boa relação com o Fatah. Quando o líder palestino Yasser Arafat ainda estava vivo, Shabir fazia visitas freqüentes a Arafat. Ele também tem contato com o sucessor de Arafat, Abbas. Membros do Hamas afirmam que ele aceitará o cargo se for nominado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.