Tasos Katopodis/Getty Images/AFP
Tasos Katopodis/Getty Images/AFP

'Posso ser a primeira mulher nesse cargo, mas não serei a última', diz Kamala Harris

No primeiro discurso como vice-presidente eleita, ela afirma que será ‘leal e honesta’ com Biden como ele foi com Obama

Beatriz Bulla, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2020 | 02h07

"Eu posso ser a primeira mulher nesse cargo, mas não serei a última", disse Kamala Harris, ao dar a dimensão histórica de sua chegada à vice-presidência dos Estados Unidos, no primeiro discurso após a vitória da chapa democrata.  "Joe Biden rompeu uma barreira ao escolher uma mulher como vice-presidente", disse. 

Kamala é a primeira mulher e também a primeira mulher negra a chegar à Casa Branca. A escolha da senadora californiana por Biden para integrar a chapa aconteceu em meio aos protestos de junho, em que milhares de americanos foram às ruas do país protestar contra o racismo e a brutalidade policial contra negros em uma mobilização comparada por historiadores ao movimento histórico de 1968. Ao chamar Kamala para a chapa, Biden, que já prometeu ser um presidente de transição, fez um aceno à juventude do eleitorado que tem cobrado por um partido mais representativo e diverso.

Kamala subiu ao palco em Wilmington às 20:30 no horário local e discursou por 10 minutos, antes de chamar Biden para a fala como presidente eleito. "Cada menina que está assistindo esta noite vê que este é um país de possibilidades. E às crianças do nosso país, independentemente do seu gênero, o nosso país enviou-lhes uma mensagem clara: sonhe com ambição, lidere com convicção e se veja de uma forma que os outros talvez não vejam, simplesmente porque nunca viram isso antes. E nós aplaudiremos a cada passo do caminho", disse Kamala, entre muitos aplausos do público que assistia ao evento em Wilmington. 

A vice eleita agradeceu e lembrou as gerações de mulheres que pavimentaram o caminho para que ela chegasse à Casa Branca. "Mulheres que lutaram e se sacrificaram por igualdade, liberdade e justiça para todos. Incluindo as mulheres negras, que muitas vezes são esquecidas, mas tantas vezes provaram que são a espinha dorsal da nossa democracia", disse Kamala.

A campanha de Biden e Kamala conseguiu feitos históricos com a mobilização de eleitores energizados pela pauta de igualdade racial. Os dois têm, até o momento, 9 mil votos de vantagem na apuração da Geórgia, um Estado com histórico de segregação racial e que desde 1972 é considerado um reduto dos republicanos. 

Ela também agradeceu as mulheres que lutaram para garantir o direito ao voto, não apenas as de cem anos atrás, como as que foram às urnas em 2020. "Nesta noite, eu reflito sobre sua luta", disse.

Kamala prometeu ser a vice-presidente que Biden foi a Barack Obama: "leal, honesta e preparada, acordando todos os dias pensando em vocês e em suas famílias", disse. "Agora o trabalho começa. O trabalho essencial para salvar vidas e vencer essa pandemia. Para reconstruir nossa economia para que funcione para as pessoas. Para erradicar o racismo sistêmico no nosso sistema de justiça e na nossa sociedade. Para combater a crise climática. Para unir o país e curar a alma da nação", disse Kamala.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.