EFE
EFE

Pôster do Tio Sam convocando ao alistamento completa 100 anos

Imagem convocando os jovens americanos a entrar para o Exército foi criada durante a 1.ª Guerra e se tornou um ícone nos EUA

O Estado de S.Paulo

05 Abril 2017 | 05h00
Atualizado 05 Abril 2017 | 05h00

WASHINGTON - O icônico desenho de "Uncle Sam" (Tio Sam) chamando os jovens americanos ao alistamento no Exército para a 1.ª Guerra  (1914-1918) completa 100 anos esta semana.

Há um século, o patriota de barba e cabelos brancos, olhar penetrante e uma cartola na cabeça com as estrelas representativas dos Estados americanos apontava pela primeira vez, com o dedo indicador, aos jovens num pedido para que se unissem ao esforço dos EUA na guerra.

Com o lema "I want YOU for U.S. Army" ("Eu Quero Você para o Exército dos EUA"), o ilustrador James Montgomery Flagg colocou, em 1917, o Tio Sam pela primeira vez em um cartaz, embora o personagem tenha nascido um ano antes.

A aparição de uma das ilustrações propagandísticas mais conhecidas da história ocorreu na capa da revista Leslie's Weekly, em 16 de julho de 1916, acompanhada do título "What Are You Doing for Preparedness?" ("O que você está fazendo para ficar preparado?"). Segundo a Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, o artista se inspirou em um cartaz do ilustrador britânico Alfred Leete em que o secretário de Estado britânico para a Guerra, Lorde Horatio Herbert Kitchener, aparecia apontando ao espectador com a frase "Your Country Needs YOU" ("Seu país precisa de você").

O pôster, publicado pela primeira vez quando os Estados Unidos declararam guerra à Alemanha em 6 de abril de 1917, foi impresso 4 milhões de vezes no ano em que os americanos participaram da disputa. Flagg usou sua figura para elaborar os atributos físicos do Tio Sam e chegou a dizer que esse era o "desenho mais famoso do mundo". Despois, a imagem foi adaptada e utilizada para promover outras causas, como a 2.ª Guerra  (1939-1945) e faz parte da história contemporânea.

A famosa personificação dos Estados Unidos no Tio Sam é mais antiga, pois se remonta à guerra anglo-americana de 1812, quando os soldados fizeram um divertido trocadilho com as iniciais U.S. (United States) que apareciam nas remessas de carne e o nome do empacotador nova-iorquino desse alimento Samuel Wilson. Em uma brincadeira, os militares usaram o "U" para aludir a "uncle" (tio, em inglês) e o "S" em referência a Sam (apaelido de Samuel), de modo que, cada vez que recebiam a carne, agradeciam ao Tio Sam. / EFE

Mais conteúdo sobre:
EUA Guerra Estados Unidos Alemanha Samuel

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.