Postura dos EUA ante Honduras é 'frouxa', diz Zelaya

O presidente deposto de Honduras, José Manuel Zelaya, criticou hoje a atitude "frouxa" e de "mãos suaves" dos Estados Unidos frente ao governo de facto de Honduras. "Eu reconheço que, tanto o presidente Obama quanto a secretária Hillary Clinton, não tiveram absolutamente nada a ver com a conspiração e o planejamento do golpe de Estado, mas digo com respeito que as medidas tomadas até o momento contra os golpistas foram frouxas e de mãos suaves", disse. Segundo ele, se Washington adotasse medidas comerciais e pessoais contra os golpistas, o Estado de direito seria restituído em "cinco minutos".

AE-AP, Agencia Estado

19 de agosto de 2009 | 17h31

Zelaya fez essa declaração após se reunir com o presidente do Peru, Alan García. O ex-líder hondurenho chegou a Lima na noite de ontem e teve uma reunião com García hoje, como parte de uma viagem a vários países latino-americanos em busca de apoio para retomar a presidência de Honduras, da qual foi afastado em 28 de junho. A reunião com García durou pouco mais de uma hora e o presidente do Peru expressou apoio a Zelaya.

O governo dos EUA, até agora, suspendeu a entrega de milhões de dólares em assistência a Honduras, com a intenção de pressionar pela restauração do ex-líder. Zelaya assinalou que toda a América Latina tomou medidas diplomáticas contra o governo de facto e que os organismos internacionais tomaram medidas econômicas, mas disse que ainda faltam medidas comerciais e pessoais contra os golpistas. Segundo ele, cerca de 70% do comércio exterior de Honduras é feito com os EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.