Potências cogitam permitir que Irã enriqueça urânio

O grupo de países envolvidos nas negociações com o Irã sobre seu programa de enriquecimento de urânio pode pela primeira vez permitir que o país mantenha alguns de seus reatores ligados, disseram autoridades governamentais exteriores nesta terça-feira, 24.Em discussões na véspera do diálogo entre Ali Larijani, principal negociador iraniano, e Javier Solana, chefe de política exterior da UE, as autoridades destacaram a importância do assunto tratado por ser a primeira vez onde poderiam deixar de lado o impasse nuclear, concordando com uma nova definição do conceito de enriquecimento.A recusa do Irã sobre o pedido do Conselho de Segurança - composto por EUA, Rússia, França, Reino Unido e China - para que o país parasse suas atividades de enriquecimento originou duas resoluções sancionando Teerã, a última em Março. Mesmo que as punições sejam seletivas e relativamente moderadas, podem ser futuramente intensificadas se o Irã se recusar a cumprir.As potências dizem que suspeitas anteriores de atividades nucleares, incluindo o programa que o Irã manteve em segredo por duas décadas, fazem do país um caso especial. Mas os iranianos argumentam que as sanções são ilegais, dizendo que tem o direito de enriquecer urânio para gerar energia. As suspeitas giravam em torno de que o urânio poderia ter sido enriquecido a níveis suficientes para ser utilizado em ogivas de mísseis nucleares.O último encontro pessoal entre Larijani e Solana foi a mais de seis meses. Solana pedia que o Irã suspendesse todas suas atividades nucleares, sem exceções. Os iranianos se recusaram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.