Potências definem pacote de incentivos e sanções ao Irã nuclear

Os chanceleres dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, mais a Alemanha e a Comissão Européia, órgão executivo da União Européia, se reúnem nesta quinta-feira em Viena para fechar um pacote de incentivos e possíveis sanções contra o Irã, devido ao seu polêmico programa nuclear.Viena também é a sede da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), órgão da ONU que investiga há três anos as atividades nucleares iranianas.Quarta-feira, os Estados Unidos anunciaram a disposição de participar das negociações entre o Irã e a União Européia (UE). A condição americana é o fim das atividades de enriquecimento de urânio iranianas.O presidente dos EUA, George W. Bush, disse em Washington que a mensagem aos iranianos é que "em primeiro lugar não terão uma bomba nuclear e, em segundo lugar, devem suspender qualquer programa de enriquecimento de urânio". Os EUA decidiram assumir a liderança das negociações, segundo Bush.Teerã: "É propaganda"Teerã ainda não reagiu oficialmente à oferta de Washington. Mas agência estatal de notícias Irna chamou a proposta de "propaganda" americana. Em Viena, o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Mohamed ElBaradei, elogiou o anúncio dos Estados Unidos e pediu ao Irã que aceite as condiçõesO Alto Representante da UE para a Política Externa e de Segurança Comum, Javier Solana, espera que o Irã aceite o novo pacote de incentivos. Enquanto isso, em Viena, aumentam as medidas de segurança para receber os chefes diplomáticos. São esperados os ministros de Relações Exteriores dos EUA, Condoleezza Rice; da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier; do Reino Unido, Margaret Beckett; da França, Philippe Douste-Blazy e da Rússia, Serguei Lavrov, assim como de Javier Solana e do vice-ministro chinês, Dai Bingguo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.