Pouso brusco pode ser a causa de incêndio no avião em Java

O incêndio, nesta quarta-feira, 7, de um Boeing 7474-400 que transportava 140 pessoas na Indonésia foi causado por uma violenta aterrissagem, segundo declarações dos sobreviventes do acidente, no qual morreram 49 pessoas, de acordo com os primeiros dados oficiais.Das 92 pessoas resgatadas, uma morreu por causa dos ferimentos, conforme as mesmas fontes.O fogo no avião da companhia aérea estatal Garuda começou por volta das 7h08 (22h08 de terça-feira, em Brasília), no aeroporto de Yogyakarta (Java Oriental), após uma aterrissagem muito brusca, segundo o relato de vários sobreviventes ao site Kompas.Handoko Sindunata, que saiu do Boeing em chamas, declarou que a roda traseira esquerda bateu na pista com violência antes de o avião voltar a se elevar, para depois a roda direita se chocar, também abruptamente.A testemunha acrescentou que finalmente a roda dianteira se apoiou na pista e estabilizou o avião, cuja lateral direita começou então a pegar fogo.Sindunata explicou que o Boeing não conseguiu frear, saiu da pista, bateu numa cerca de aproximadamente um metro e meio de altura e, finalmente, foi parar num arrozal vizinho ao aeroporto. A porta de emergência central se abriu e dezenas de passageiros saíram em meio ao incêndio.Aparentemente, o fogo pode ter sido causado por faíscas que atingiram o tanque de gasolina, que se rompeu com a violenta aterrissagem.Uma densa fumaça preta cobriu o avião e o pânico se estendeu entre os passageiros e a tripulação, congestionando as saídas de emergência, segundo Sindunata. No momento do acidente, as condições meteorológicas eram boas.Pujobroto, porta-voz da companhia aérea, disse à imprensa em Jacarta que o Boeing "estava em condições apropriadas para voar".Segundo Pujobroto, o avião tinha sido checado pela última vez em 7 de fevereiro, na cidade de Denpasar, capital da ilha de Bali, e estava em perfeitas condições.O presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, ordenou uma investigação completa das causas do incêndio. Não foi afastada a possibilidade de sabotagem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.