Powell admite que não há armas proibidas no Iraque

A administração Bush parece pronta para abandonar uma das maiores justificativas que apresentou ao mundo para ir à guerra contra o Iraque: os supostos arsenais de armas químicas e biológicas de Saddam Hussein. O secretário de Estado Colin Powell, que deu o alarme numa dramática apresentação à ONU em 2003, virtualmente retirou a afirmação durante um depoimento ao Comitê de Assuntos Governamentais do Senado. "Existiam todas as razões para se acreditar que havia os arsenais", defendeu Powell. "Existiam questionamentos sobre o tamanho dos arsenais, mas todos nós acreditávamos que havia arsenais". Entretanto, disse Powell ao responder uma pergunta da senadora republicana Susan Collins, "no fim não encontramos nenhum arsenal". A tarefa agora, adiantou, é "voltarmos atrás e descobrir por quê tínhamos um julgamento diferente". Desde a guerra, Powell afirmou ter descoberto que "algumas das fontes que usei como base para a apresentação do julgamento às Nações Unidas eram imperfeitas". Ele não deu mais detalhes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.