Powell avaliza políticas do presidente da Colômbia

O secretário de Estado americano, Colin Powell, e o presidente colombiano, Alvaro Uribe, reuniram-se hoje por duas horas em Bogotá. Durante o encontro, do qual também participaram vários ministros colombianos, Powell anunciou que os EUA aumentarão sua ajuda à Colômbia para a luta contra o narcotráfico e retomarão o programa de interdição aérea de aviões usados no transporte de drogas. O secretário americano disse que Washington também respaldará eventuais negociações de paz com a guerrilha e saudou como um passo positivo a trégua decretada pelos paramilitares. Apesar do cessar-fogo decretado pelas Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC), Powell disse que os EUA tentarão obter a extradição do chefe paramilitar Carlos Castaño pela acusação de narcotráfico. Por sua vez, Uribe propôs a Powell que os EUA ajudem a financiar um programa contra a pobreza que castiga os países latino-americanos e assim evitar que uma onda de populismo tome conta da região. Segundo Powell, os EUA darão US$ 15 milhões adicionais para financiar o programa de erradicação voluntária de cultivos ilícitos para que sejam substituídos por produtos da agricultura tropical. Durante sua viagem até Bogotá, o secretário de Estado havia anunciado que a ajuda global dos EUA à Colômbia aumentará no próximo ano de US$ 300 milhões para US$ 500 milhões. Entre 2000 e 2002, a ajuda foi de quase US$ 2 bilhões. Depois de Israel e Egito, a Colômbia é o terceiro maior beneficiário da ajuda financeira americana. A visita de Powell coincide com a chegada da Colômbia à presidência rotativa do Conselho de Segurança da ONU, onde os EUA têm especial interesse no caso do Iraque. Portanto, a questão sobre as inspeções de armas e um possível ataque contra Bagdá deveria ser tratado durante a visita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.