Powell consegue apoio da APEC contra terrorismo

O secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, elogiou hoje em Xangai, na China, as nações asiáticas do Pacífico que aderiram à campanha antiterrorismo promovida pelos EUA. Depois de dois dias de discussões na reunião anual da Cooperação Econômica Ásica-Pacífico (APEC), os ministros dos 21 países concluíram uma proposta que concorda em combater o terrorismo numa ?luta entre a justiça e o mal?, afirmou o chanceler chinês, Tang Jiaxuan. Entretanto, o acordo que as nações da APEC devem firmar este fim de semana não faz nenhuma menção aos ataques anglo-americanos ao Afeganistão. As organizações terroristas operam em várias nações da APEC, incluindo Indonésia, Filipinas e Malásia, que podem se tornar alvos da campanha. A Indonésia e a Malásia estão particularmente preocupadas com a crescente oposição, entre os muçulmanos, em relação aos esforços de Washington para capturar Osama bin Laden no Afeganistão e, por isso, não endossaram os ataques, disseram representantes da APEC. Numa coletiva de imprensa realizada após a reunião ministerial, Powell foi questionado se algum ministro da APEC teria expressado preocupação. ?Estou orgulhoso da forma como o mundo está unido para dizer que o terrorismo não pode ser tolerado?, disse. ?Encontrei a compreensão de meus colegas. Há a esperança de que a campanha militar termine rapidamente e com sucesso, mas não posso dizer que houve preocupações, apenas a esperança de atingir logo o objetivo?. O chanceler chinês Tang Jiaxuan usou palavras duras - algumas recordando os ataques promovidos pelo presidente George W. Bush contra o terrorismo - ao destacar pontos importantes do acordo entre os ministros da APEC. ?O antiterrorismo é uma luta entre a justiça e o mal, a civilização e a barbárie?. Powell assegurou que as relações entre Estados Unidos e China se desenvolvem positivamente e que já foi superado o incidente diplomático de abril passado, quando um caça chinês colidiu com um avião de espionagem norte-americano. Entretanto, ele afirmou que ainda existem diferenças entre os dois países em relação aos direitos humanos, por exemplo. A reunião ministerial da APEC foi organizada para preparar a cúpula de chefes de Estado e de governo que acontece no fim de semana e da qual participarão George W. Bush, Vladimir Putin e Jiang Zemin. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.