Powell critica intransigência "dos dois lados" na Venezuela

O secretário de Estado Colin Powell criticou a "intransigência dos dois lados" na crise na Venezuela, e reiterou o apoio de Washington aos "esforços do secretário-geral das Organização dos Estados Americanos, César Gaviria, para encontrar uma solução democrática, baseada na constituição e numa sólida compreensão do processo eleitoral". Funcionários americanos indicaram que, nos bastidores, a administração continua a insistir na realização de eleições antes de agosto do ano que vem, o prazo constitucional para a realização de um referendo que poderia tirar o presidente Hugo Chávez do poder. De acordo com uma fonte oficial citada pela agência Reuters, os EUA mobilizaram apoio da OEA e de países da região, notadamente o Brasil, para ajuda a pressionar Chávez a aceitar um cronograma que inclua eleições antecipadas. O líder venezuelano teria manifestado tal disposição a Marco Aurélio Garcia, o enviado especial do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva a Caracas, durante jantar que tiveram na última quinta-feira. Mas tal arranjo, mesmo que seja montado, poderá não solucionar a crise, uma vez que não se deve descartar a possibilidade de Chávez levar a melhor em novas eleições. "Continuamos extremamente preocupados com a volatilidade da situação política na Venezuela, e conclamamos todos os lados a não recorrer à violência", afirmou um porta-voz do Departamento de Estado. "Ao mesmo tempo, reiteremos que o governo da Venezuela tem uma obrigação especial de garantir um ambiente seguro para que os venezuelanos possam exercer seu direito de expressão e de reunião".

Agencia Estado,

20 Dezembro 2002 | 19h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.