Powell discute no Japão ajuda aos afegãos

O secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, chegou neste sábado ao Japão para participar de uma conferência que vai discutir a ajuda internacional para a reconstrução do Afeganistão. Representantes de mais de 50 países e organizações internacionais se reúnem em Tóquio, a partir de segunda-feira, para dois dias de discussões. Ao final da conferência, deverá ser apresentado o rascunho de um plano de reconstrução do país arrasado por duas décadas de guerras e conflitos. Além de Powell, o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, e o primeiro-ministro interino do Afeganistão, Hamid Karzai, participam da conferência. Powell, procedente do Nepal, não falou com a imprensa antes de partir em um veículo oficial que esperava por ele no Aeroporto Haneda de Tóquio, onde foi recebido pelo embaixador dos EUA no Japão, Howard Baker. Em Londres, um grupo de parlamentares britânicos solicitou um encontro com o embaixador dos EUA para expressar sua preocupação com o tratamento dispensado aos supostos terroristas da rede Al-Qaeda que estão sendo mantidos presos na base naval de Guantánamo, em Cuba. A deputada Ann Clwyd, presidente do Comitê Parlamentar de Direitos Humanos, afirmou que o grupo quer ter a promessa do embaixador William Farish de que os detidos serão considerados prisioneiros de guerra. Mais de 100 prisioneiros, incluindo três supostos britânicos, estão detidos na base naval americana em Cuba. Os EUA consideram os prisioneiros "combatentes desleais" ou "detidos", ao invés de prisioneiros de guerra, que, neste caso, contariam com os direitos legais determinados pela Convenção de Genebra. Leia o especial

Agencia Estado,

19 Janeiro 2002 | 16h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.