Powell diz que "há problemas" na declaração do Iraque

O governo americano considera que "há problemas" na declaração do Iraque sobre seu programa de armas, entregue à ONU na semana passada, e fará um balanço público sobre o assunto até o fim da semana, anunciou o secretário de Estado dos EUA, Colin Powell."Nós dissemos, desde o começo, que encarávamos a declaração com ceticismo. A informação que eu tenho até o momento é de que o ceticismo é bem fundamentado. Há problemas com a declaração", disse Powell, ladeado pelo subsecretário de Defesa, Paul Wolfowitz, e ministros japoneses em visita a Washington.O secretário afirmou que os EUA estão repassando os "problemas" à comissão de inspetores da ONU e à Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea), bem como discutindo a questão com os membros permanentes do Conselho de Segurança.O porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer, enfatizou que o presidente iraquiano, Saddam Hussein, não terá uma nova chance para corrigir as falhas ou omissões na declaração.Os americanos continuam com os preparativos para um eventual ataque ao Iraque. Segundo o diário turco Milliyet, pelo menos 50 caminhões carregados de armas leves americanas, destinadas à minoria curda iraquiana, entraram recentemente no norte do Iraque, passando pelo posto fronteiriço de Habur, na Turquia.O jornal assinalou que o material irá equipar cerca de 2 mil curdos que serão treinados por militares dos EUA no norte do Iraque, área majoritariamente habitada pela etnia curda. Além disso, segundo o mesmo diário, forças turcas foram deslocadas para os 400 quilômetros de fronteira com o Iraque, como medida para evitar a afluência maciça de refugiados iraquianos no caso de os EUA lançarem um ataque ao país. Os soldados turcos também estão sendo preparados para enfrentar uma possível ofensiva dos rebeldes curdos turcos, ou agir contra a eventual criação de um Estado curdo no norte do Iraque.No Iraque, os inspetores da ONU começaram a perguntar aos funcionários da indústria militar sobre os cientistas que trabalharam no antigo programa nuclear, disse hoje um porta-voz em Bagdá. Uma equipe de inspetores fez várias perguntas sobre o assunto durante uma visita a uma fábrica de vidro e cerâmica em Ramadi, declarou o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores citado pela agência de notícias INA.Os inspetores visitaram hoje seis locais, entre eles o complexo de al-Qa´qaa, onde cientistas iraquianos começaram a desenvolver uma bomba nuclear.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.