Powell diz que não haverá ataque imediato ao Iraque

O secretário de Estado americano, Colin Powell, disse que entende e leva em consideração objeções árabes a uma ação militar dos Estados Unidos contra o Iraque. "Por enquanto, não há nada sobre o que discordar", afirmou Powell após uma reunião de meia hora com o ministro do Exterior do Egito, Ahmed Maher, que expressou a preocupação de governos árabes diante da possibilidade de o presidente George W. Bush atacar o Iraque, por sua recusa em permitir a entrada de inspetores de armas da ONU. "Acho que ele nos escutou", disse Maher numa entrevista coletiva conjunta, na entrada do Departamento de Estado.Powell, ao seu lado, afirmou que "nós entendemos a precaução de alguns de nossos amigos". Em outra frente, Powell e Maher concordaram que os esforços de paz no Oriente Médio ganharam um novo impulso. Powell disse que cabe a Israel e aos palestinos - e não à administração Bush - definir o caminho. Maher havia defendido a resistência palestina ao que ele e Powell classificam de ocupação israelense da Cisjordânia e Faixa de Gaza.A resistência é uma resposta legítima, afirmou Maher. Ao mesmo tempo, ele condenou ataques contra civis israelenses em Israel e nos territórios ocupados. Maher elogiou Powell por ter dito que Israel estava ocupando territórios árabes. "Pela primeira vez, os Estados Unidos colocaram o dedo na fonte dos problemas", comentou.O chanceler egípcio disse que o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, deveria entregar toda a Cisjordânia e parte de Jerusalém para formação de um Estado palestino. Então, afirmou, Israel será aceito na região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.