Powell diz que tempo do Iraque está se esgotando

O secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, afirmou que não resta muito tempo para que se encontre uma solução pacífica para o confronto entre os EUA e o Iraque. Segundo Powell, o relato do chefe dos inspetores de armamentos da ONU, Hans Blix, ao Conselho de Segurança, hoje, "não foi uma surpresa". Blix disse que, embora não tenham sido encontradas evidências concretas de que o Iraque ainda tenha armas de destruição em massa, o país não está cooperando ativamente com os inspetores e há um grande número de questões a resolver. "A lista de questões não respondidas e as muitas maneiras pelas quais o Iraque tem frustrado o trabalho dos inspetores se extendem". Ele observou que a resolução 1441 do Conselho de Segurança, que enviou os inspetores de armamentos ao Iraque, prevê "sérias consequências" no caso de violações iraquianas. Numa referência indireta a países como a Alemanha e a França, que pedem mais tempo para que os inspetores da ONU concluam seu trabalho, Powell disse que "a questão não é de quanto mais tempo os inspetores precisam para buscar no escuro. A questão é quanto mais tempo deve ser dado para que o Iraque acenda a luz. E a resposta é: não muito tempo. O tempo para o Iraque escolher um desarmamento pacífico está chegando rapidamente ao fim". Indagado sobre o que os EUA vão fazer nos próximos dias, o secretário de Estado disse que o presidente George W. Bush vai fazer consultas com outros líderes mundiais; Powell citou os primeiros-ministros Tony Blair, do Reino Unido, e Silvio Berlusconi, da Itália, que vão se reunir com Bush ainda nesta semana. "Quando essas consultas estiverem concluídas e o presidente tiver a chance de discutir isso com outros chefes de Estado e de governo, e eu tiver feito minhas próprias consultas, nós vamos determinar quais serão os próximos passos", disse o secretário. Ele também reafirmou a tese norte-americana de que a organização terrorista Al-Qaida, de Osama bin Laden, tem laços com o regime iraquiano. "Nós vimos contatos e conexões entre o regime iraquiano e organizações terroristas, que incluem a Al-Qaida. À medida que pudemos focalizar isso mais e mais para trás no tempo, acho que estamos mais confiantes nessa avaliação. E as informações que pudermos divulgar em mais detalhes, nós vamos divulgar nos próximos dias", afirmou Powell.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.