Powell impulsiona plano de paz com dificuldade

O primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, também conhecido como Abu Mazen, pediu a Israel que aceite integralmente o roteiro para a paz elaborado por Estados Unidos, União Européia (UE), Rússia e Organização das Nações Unidas (ONU) - integrantes do chamado Quarteto - para restaurar o processo de paz no Oriente Médio.A declaração de Abbas foi feita na cidade de Jericó, durante entrevista coletiva conjunta concedida por Abbas e pelo secretário de Estado americano, Colin Powell, após uma reuniãoentre os dois."O plano de paz deve ser aceito como um todo e é preciso deixar para trás todas as nossas ressalvas para aplicá-lo integralmente", pediu Abbas. Powell tinha se reunido antes com o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, que emitiu sinais contraditórios sobre a disposição de aplicar o plano.Embora tenha declarado que pode se encontrar com Abbas "num futuro muito próximo", Sharon indicou que Israel pretende alterar o plano do Quarteto. A TV israelense informou neste domingo que o primeiro encontro entre Abbas e Sharon pode ocorrer já na sexta-feira.Sharon, porém, deixou claro que Israel só voltará a negociar a paz quando tiver certeza de que a administração palestina está verdadeiramente empenhada no esforço de combater os gruposradicais que promovem atentados contra israelenses.Apesar de declarar que Israel está disposto a "fazer concessões dolorosas", Sharon sugeriu que a retirada completa dos territórios ocupados depois de 1967 - algo que governos israelenses anteriores aceitavam discutir - é "improvável".Embora Powell tenha declarado que "existe boa vontade suficiente para desbloquear o processo de paz, o ministro do Interior da ANP, Yasser Abed Rabbo, interpretou a resposta de Israel ao plano como negativa. "Essas negociações não nos satisfazem porque a posição israelense é negativa", disse. "Israel quer acordos sobrealguns pontos, mas não sobre outros."A parte palestina quer o fim da política de colonização de Israel, dos assassinatos seletivos dos líderes da intifada (revolta palestina) e da restrição de movimentos do presidente da ANP, Yasser Arafat. A visita de Powell, no entanto, foi seguida do reforço das tropas israelenses que cercam Arafat na Muqata, seu quartel-general de Ramallah.Grandes Acontecimentos InternacionaisESPECIAL ORIENTE MÉDIO

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.