Powell prevê longa caminhada até a paz

O secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, disse nesta quarta-feira que o governo norte-americano não pode ditar a palestinos ou israelenses quando eles devem iniciar o período de resfriamento.Após uma reunião de 50 minutos com o presidente do Egito, Hosni Mubarak, Powell afirmou que a partir do momento no qual israelenses e palestinos concordarem com a retomada das negociações, o caminho até um acordo será bem lento."Há algumas expectativas de que deveremos estar prontos para fazer isso em um ano", disse ele. "No fim do dia, serão as partes em conflito que decidirão se há ou não um nível adequado de calmaria e diminuição da violência para seguirem em frente, e isto significa o primeiro-ministro Sharon."E acrescentou: "Esperamos chegar nos próximos dias ou semanas a uma situação na qual todos olhem em volta - inclusive o senhor Sharon - e digam que aparentemente chegamos a um nível ideal de calmaria e diminuição da violência que satisfaça nossas expectativas de seguir em frente durante o período de resfriamento. No fim do dia, o senhor Sharon fará o seu julgamento."Antes de chegar ao Egito, Powell disse a jornalistas que estava encorajado devido ao declínio da violência. Ele disse que não contestaria a exigência de Sharon para que haja 10 dias de completa calmaria antes de serem implementadas as recomendações de uma comissão internacional de observadores.Os palestinos e outros povos árabes querem uma ação mais urgente para o congelamento das construções de assentamentos judaicos e a adoção de outras recomendações incluídas no relatório da comissão liderada pelo ex-senador norte-americano George Mitchell."Não temos autoridade para dizer às partes em conflito quando começa um período de resfriamento", disse ele antes da aterrissagem em um aeroporto situado nas proximidades de Alexandria para se reunir com Mubarak."Nós queremos que o ciclo de violência diminua até um ponto no qual os dois lados se sintam confortáveis para determinar o período de resfriamento e as medidas de construção de confiança", afirmou Powell.Após a reunião entre Mubarak e Powell, o ministro egípcio das Relações Exteriores, Ahmed Maher, disse que o líder palestino Yasser Arafat está fazendo tudo o que pode."Esperamos que os israelenses façam como o senhor Arafat. Ainda observamos palavras e ações provocativas por parte dos israelenses", comentou Maher.Pelas recomendações da comissão Mitchell, 10 dias de calmaria seriam seguidos de seis semanas de resfriamento. Mas Powell disse que conversaria nesta quinta-feira com Arafat e Sharon sobre os passos propostos pela comissão.Ele qualificou o relatório como o único plano com aceitação internacional para encerrar o conflito palestino-israelense. "Será um processo demorado, difícil", declarou Powell. Ele descreveu a tarefa como subir uma montanha dando um passo por vez.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.